segunda-feira, outubro 02, 2006

Irá Durão Barroso defrontar Sócrates em 2009?

Vale a pena (ou nem por isso) lêr esta noticia no semanário....

Deixo algumas pérolas:

"Durão Barroso pode não ter espaço para ser candidato presidencial, depois de Cavaco Silva. À frente do Presidente da Comissão Europeia, a esquerda tem um nome forte que está a gerir magistralmente também o seu regresso a Portugal: o antigo primeiro-ministro e actual alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres. Por isso, querendo regressar ao País, o único lugar disponível para Durão Barroso terá de ser o de primeiro-ministro.
Irá Durão Barroso defrontar José Sócrates nas próximas legislativas de 2009? Tudo indica que sim."

"Esse foi, aliás, o percurso do último Presidente da Comissão Europeia, Romano Prodi, actualmente primeiro-ministro em Itália, depois de ter derrotado o primeiro-ministro Sílvio Berlusconi, que se candidatava à reeleição."

"... o Presidente Barroso pode sair depois de uma reforma que pode marcar o futuro da união política europeia, ultrapassando as hesitações que actualmente dominam a Europa depois do chumbo da Constituição Europeia. Ou em alternativa, não sendo possível o acordo e agravando-se a crise europeia e a própria credibilidade das instituições e do euro, a saída intempestiva de Barroso no fim do primeiro mandato pode ser politicamente significativa no quadro europeu, como alerta para o facto desta Europa fazer pouco sentido como bloco político, num mundo cada vez mais globalizado, e onde os desafios não serão apenas referentes ao terrorismo, mas também à segurança dos recursos naturais e da energia."

"... o eventual interesse de Barroso poder querer suceder a Cavaco Silva como Presidente da República. Mas Durão Barroso pode já ter percebido que essa hipótese pode não ser interessante, não só porque o Presidente Cavaco Silva pode bem fazer um segundo mandato, atirando a sua saída de Belém para depois de 2015, como será arriscado para Barroso defrontar António Guterres, o candidato natural da esquerda, que contará com o apoio do PS e que regressará ao País prestigiado pelo mandato nas Nações Unidas. Deixando de lado Belém, o regresso de José Manuel Durão Barroso deveria ser bem em cima das eleições, acabando por jogar bem o mandato de Bruxelas com o fim da legislatura em Portugal."


"... Marcelo poderia ter preparado as coisas para o seu regresso ao PSD, sendo claramente o mais credível militante para liderar a oposição a Sócrates e com tempo construir uma alternativa política. Mas, mais uma vez, o comentador da RTP errou tacticamente e preferiu elogiar o desacreditado Marques Mendes, desvalorizando-se a si próprio e, sobretudo, desacreditando-se na multiplicação de comentários - sendo os mais negativos sobre justiça desportiva."

"...Barroso não elogia Mendes, mas, ao contrário de Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente da Comissão Europeia não elogia Marques Mendes, deixando assim campo livre para uma ofensiva sua a seu tempo. E ao entrar em jogo, sobretudo se houver a reforma das leis eleitorais - facilitando as maiorias absolutas -, Barroso e a direita poderiam mesmo sonhar com uma nova maioria absoluta do PSD.Esse jogo é contudo o pior que poderia acontecer ao CDS de Paulo Portas. Portas está a preparar o seu regresso ao CDS, uma jogada política que acaba por interessar ao PS de José Sócrates que, deste modo, estabiliza a oposição interna e ameaça a esquerda com um eventual Governo PS-CDS, caso o PS perca, em 2009, a sua maioria absoluta. Mas, por outro lado, o regresso de Barroso poderá abrir também uma janela de oportunidade para a renovação da AD."

"... Mas para o próprio Governo socialista e para Belém, os "timings" podem acelerar-se logo no início de 2008 se a situação económica piorar surpreendentemente: nesse caso, o PS poderia querer antecipar as legislativas, antecipando-as para renovar a maioria absoluta e, caso a perdesse, sempre teria Paulo Portas no CDS para se coligar. Uma situação que deixaria o PSD de fora e através da qual Portas e Sócrates ponderariam funcionar como uma tenaz, roubando pela esquerda e pela direita espaço eleitoral ao PSD. E neste contexto a presença de Marques Mendes seria essencial, até porque o prestígio do Presidente da Comissão Europeia poderia colocar em causa tal estratégia de redução do espaço político do tradicional PPD/PSD."

2 comentários:

Eduardo disse...

A seu tempo será necessária uma oposição forte para esclarecer pontos de vista. Será que Durão é o nome certo? O D. Sebastião da direita? A ver vamos...

Anónimo disse...

Que blog mais deprimente. Não admira que seja tão ressabiado.