quinta-feira, julho 13, 2006

No estio

Nesta época estival parece não haver política. O futebol ocupou os jornais, as mentes e as aspirações de todos, ou melhor de quase todos. Não choro, nem fico noites em branco a celebrar feitos desportivos. Eu que gosto tanto de desporto. Eu que sempre pratiquei algumas modalidades, inclusive futebol. Mas não consigo chorar de tristeza nem exultar a alegria profunda de uma conquista que representa uma efémera taça. Gosto do processo, do caminho para lá chegar, de vêr e vibrar. Depois acabou. Na arquitectura é igual. Não sei porquê nunca gostei de visitar as obras que fiz. Guardo-as naquela aura de obra completa inabitada. Essa é só minha, depois dou-a aos outros, tomem lá e mexam nisso. Ao contrário de Siza e outros não me incomodo com as novas pinturas, a caixilharia mudada, o painel na fachada. Tenho para mim que aquilo vale se, resistindo a isso, continuar a ser também uma peça equilibrada e feliz.
Sempre me apaixonou esta ideia de estar dentro das coisas a tentar colocar-me de fora. A observar como espectador sendo interveniente.
Nada mais divertido do que constatar as acções instintivas e básicas dentro de um rectângulo de jogo. Olhar em redor e ver que, os que são os espectadores, se importam mais do que os que combatem o objectivo do golo.

Na política é também assim. Quem estiver lá dentro hoje, e não perceber que não existe política tão cedo, provavelmente não tem lucidez. Digo política, política. A verdadeira, a que muda a vida das pessoas. Estas para já não muda, puderá vir a mudar, espero eu.

Aos que consultam o Sede tenho que ir pedindo desculpa. Não tenho conseguido escrever, começo e nunca acabo. Tenho tido uma obecessiva atitude bloqueadora. Começo irritado, escrevo e depois acho mesmo que não tenho nada para dizer. Como agora. Mas ainda assim, para não pensarem que isto é um farrapo triste de desculpa, apetecia-me deixar aqui as primeiras frases incompletas das coisas que se vão passando por mim. por isso deixo mesmo.

Primeiro passando pela oposição interna ao Sócrates (como se ela existisse!). Manuel dos Santos aproveitou com vaidade um vazio, e cá de cima do Porto, lembrando que trabalha de 2ª a 5ª em Bruxelas, pôs-se em bicos de pés. Alguns mais atentos terão vistos que andei lá nessa barulheira. Foi como aquelas "cenas" dos tipos que estão no Leilão e levantam o braço para chamar o amigo que passa na 3ªa fila ao lado e quando dão conta compraram uma velharia caríssima. Depois podem tentar devolvê-la, mas da fama não se livram. Está bem, queria ser Churchil para me lembrar de uma daquelas máximas se que encaixaria a esta situação como uma luva. Mas nem a esse trabalho me sei dar. Quero lá saber da guerra de Manuel do Santos com Sócrates, quero saber tanto como ele da minha contra os dirigentes distritais do PS onde fui uma voz isolada, e não me arrependo. E ele arrepender-se-á? Não! chamou "comissão liquidatária" do socialismo ao governo de Sócrates!
Fez bem? Fez mal? Bom fez alguma coisa, mas não creio que tenha sido um acto de coragem. Essa coragem teria sido boa se tivesse encetado uma candidatura interna ao distrito portuense. Mas não fez, e isso interessa alguém? Então? Se calhar não vale muito escrever sobre isso.

Depois pensei escrever um pouquinho sobre o nosso governo. Ele encara o problema de inúmeras multinacionais a fechar. Elas vão para leste, Roménia, Hungria, etc. Como podemos entretanto observar o cenário optimista de sermos competitivos? Bom toda a gente sabe o resto da história. Toda a gente duvida que o desemprego real não seja bem maior que o oficial (7,7%).

E também me apetece defender o governo PS. Não que não ache que não sou capaz de o conseguir fazer bem. Mas o problema é que os disciplinados acéfalos do meu partido o fazem tão indiscriminadamente e de forma tão bacoca, que ainda me confundirão com eles. Então é melhor não. Há muita coisa em que tenho dúvidas, mas era o que faltava pensar que agora que temos uma equipa estável e um líder com estratégia, fossemos todos a correr mina-lo, descredibilizar a sua acção – em suma fazer oposição por oposição (ainda mais interna). Se é tão difícil obter a estabilidade governativa, saibamos esperar pela concretização das acções. Mas isso não significa que não se assuma que se com José Sócrates temos provavelmente a governação socialista mais estável, menos dependente do estado de graça ao jeito guterrista, por outro lado temos o PS na sua pior situação desde a fundação. Democracia interna pouco clara. Lideres intermédios fracos, sem peso político, sem discurso e sem ideias. E meus caros não me refiro só ao Porto. Refiro-me também ao Porto. Então pode ser que Sócrates seja o pior secretário-geral dos últimos tempos. Ou então o melhor, por ser exactamente o pior. Não alimentou as "comanditas" e prefere ter tipos menos bons e tudo na barafunda, do que aturar as vaidades como Guterres. Enfim, creio que são ventos semeados que serão colhidos nas próximas legislativas, a ver vamos. Mas isso interessa? É alguma novidade? Vale a pena esta reflexão pública?

E já agora falar das coisas "comezinhas" dos autarcas. Começar em Carmona Rodrigues. Que admitiu que talvez, repito talvez, tenha muitos colaboradores directos. É possível que despeça alguns.
É tão bom homem o senhor. Mesmo nas asneiradas é humilde. Ninguém o crucifica. Se fosse Fernando Gomes ou Santana era devorado por ter cinquenta ou sessenta assessores directos, perfazendo UMA DESPESA PÚBLICA NACIONAL, sim porque Lisboa é Portugal para tudo, não é só para algumas coisas. Mas isto interessa? Alguém dá mais atenção ao caso do que ao tombo que ele antes deu na prova de bicicletas a descer o bairro alto? Então só se fala disso daqui a 3 anos, OK?

E rui Rio? Esse senhor portuense. Figura admirada pelos que não gostam de Pinto da Costa. Esse democrata sério e exemplar para o País ( e para a maioria dos portuense, não esqueçam). Faz clausulas salazaristas para atribuir subsídios. Transforma serviços públicos mentindo a trabalhadores (combinando nas costas com alguns dirigentes do PS). Alguém se importa muito? Acham que vamos seguir isto de que Aldoar rouba água para regar o cemitério? Que Campanha perde um Centro de Saúde? Que isto aquilo e mais aqueloutro?
Já viram que reabilitada está a baixa? Já notaram que novos projectos estão em marcha? Que há menos pobres no Porto? Há menos arrumadores, lá isso há! MAS há arrumadores. E por mês, números redondos, segundo Rio, por cidadãos tratados gastam-se 90 contos por mês (na moeda antiga como ele diz). O giro é que esses 90 contos não estão no bolso dos desgraçados que arrumavam os carros e agora tem metadona e cobertores. O problema é que esses 90 contos multiplicados, estão no bolso dos técnicos e dirigentes da "PortoFeliz". Eles felizes. Nós continuamos na mesma. Mas isso interessa? Se já nem RUI Sá visita os bairritos aos sábados. Se a equipa de Assis ainda não pôs os pés em nenhum dos cinquenta e tal bairros que calcorreou duas, três e quatro vezes há menos de um ano. Por isso fico a falar sozinho. E calo-me – para já!

Por isso ando no estio, a saborear outras coisas. Não consigo partilhar aquilo em que nem sequer tenho pensado. Volto-me para o lado e faço mais um esquisso, aquela parede, a janela, o detalhe. E depois faço de conta que sou espectador da minha própria obra. Quando volto lembro-me que prefiro ser espectador de mim próprio do que juiz dos outros.

6 comentários:

AM disse...

Avelino

Não percebi nada mas está bem escrito (tirando as "gaffes" claro)

Olhe, nem sei que lhe diga, é só para saber que li e que gostaria de o ver mais optimista...

Um abraço
AM

avelino disse...

Quem disse que estou pessimista?

AM disse...

Hehe

Amigo Avelino, releia o meu comentário:

começa assim: "Não percebi nada ..." :-)

AM

maloud disse...

Os que infelizmente ainda não zarparam para férias, já estão com o olho nelas. Pelo menos eu estou. Mas antes de ir, se estiver para aí virado, diga-me quem é esse Manuel dos Santos. Parece nome de toureiro.

José Manuel Dias disse...

Interessante...

José Manuel disse...

As visitas do Rui Sá são ao Domingo e continuam a ser feitas (aos bairros e não só...)

Pode consultá-las aqui:

http://cduporto.blogs.sapo.pt