segunda-feira, julho 24, 2006

O Metro em dia de Rivoli

No dia em que se fará a vigília sobre o Rivoli, acho interessante falar sobre o Metro. Calculam evidentemente que sobre o assunto do Teatro tudo está dito, ou melhor tudo está explicito. A CMP assume que a área cultural não é algo em que aposte, tanto mais que a receita parece ser realizar um corte radical com a grande aposta cultural da década de 90 – a ruptura com o património e a cultura que lançou o Porto para um debate nacional e nalguns momentos internacional. Enfim, dirão que é a visão de um economista! Mas não é verdade, afinal Fernando Gomes estudou os mesmos livros, nas mesmas carteiras, na mesma escola de Rui Rio.

E falo de Fernando Gomes porque já agora deveríamos repensar a “estória” do Metro na Boavista. Como se sabe opus-me à intervenção mal conseguida para as corridinhas de carros antigos, disfarçada de intervenção do Metro na Boavista.

Mas infelizmente as árvores foram cortadas e nenhumas foram plantadas (conforme haviam prometido), e tudo continua mais ou menos na mesma. O eixo que liga a segunda centralidade do Porto a Matosinhos, fruto da emancipação de Leixões, continua aquém do que pode ser.

O PS tem demonstrado grande apetência para discutir os assuntos de urbanismo com alguma profundidade. Infelizmente partilha muitos erros no passado recente. Tenho a certeza que Fernando Gomes não deixaria de aglomerar opiniões sobre estes temas prementes. Sempre o fez e se usou as grandes obras em seu proveito, fé-lo consultando a cidade e incentivando todos à sua compreensão.

Julgo, portanto, que não devemos esperar pelo avanço dos estudos e obras para depois guerrear fatalidades.

Este fim-de-semana um estudo indicava novos caminhos e trajectos para o Metro. Assim sendo o PS deveria assumir que a conversa do eléctrico é um argumento falhado! Estava previsto na remodelação da Av. da Boavista, um projecto de Manuel Ventura que foi substituído pelo messiâncio de Siza. Por isso já não tem sentido. Ou queremos o Metro na Boavista ou não queremos. Ponto final.

E se é para fazer, ou se isso será uma inevitabilidade, que não façam como nos Aliados em que daqui a uns tempos far-se-á uma conferência com Eduardo Souto de Moura e Siza Vieira e todos ficaram rendidos à sua estirpe de internacionais modelos da melhor arquitectura portuense. Provavelmente virão demonstrar um novo modelo de Catenárias (tipo Philip Starck) que encaixarão que nem uma luva na “estéctica” proclamada.

E já agora, se a Exponor sai mesmo dali, porque não prolongar para lá a actual linha do Metro que acaba no Senhor de Matosinhos? Será realmente melhor ligar Leça à linha da Trofa? Admito que sim, mas parece-me que deveria haver maior intervenção política.

É que o meu maior receio não são as ideias de Rui Rio e companhia, mas sim a forma como ele as aplica. Fico com a sensação que mesmo o projecto mais inovador e dinâmico na cidade seria feito à paulada (porque assim tem que ser). Mas todos sabemos que se a gestão de Rio estivesse lá há uma década, provavelmente já haveria missa no Coliseu e a Casa da Música estaria tão desenvolvida como o edifício transparente. Mas neste caso da Boavista é preciso particular cuidado, se calhar alguns dos estudos do Metro tem sentido e se calhar, repito se calhar, mais vale acautelar um bom projecto do que repetir o ridículo que nos cobriu no túnel de Ceuta.

2 comentários:

Incoerente disse...

«É que o meu maior receio não são as ideias de Rui Rio e companhia, mas sim a forma como ele as aplica»

De acordo

António disse...

diga-me caro amigo, que bondade existe em fazer uma linha de metro, supostamente para aliviar um canal que ficará entupido, que apenas encurta o comprimento do funil e não elimina o funil?