terça-feira, dezembro 27, 2005

26 de Dezembro



Fez um ano que o Oceano Índico turvou a vida dos Homens. Fez um ano que lágrimas salgadas e grossas de pais, filhos, maridos, mulheres, irmãos e amigos se misturaram para sempre com o Mar. Um Mar que, de repente, perdeu as fronteiras e abalou definitivamente equilíbrios. A minha homenagem a Todos!
No meio desta imensa tragédia, também não consigo deixar de pensar naquela pequena ilha do Pacífico, mesmo na trajectória do Tsunami, onde todos se salvaram. Ali, a tradição ditava que, numa guerra de fronteiras entre mar e terra, ao recuo do mar se seguiria, por certo, uma nova investida. Sabendo de antemão que nessa guerra de mar e terra o Homem seria “sacrificado”, os habitantes da ilha decidiram refugiar-se na floresta. E com esta atitude de “mágica” sabedoria se salvaram.
O jogo de adaptação do Homem às mudanças da Natureza só pode ser por Ele ganho, e às vezes, se Ele reconhecer o ténue equilíbrio que rege este jogo. E foi isso que aconteceu naquela pequena e primitiva ilha do Pacífico.
Ali reconhece-se que entre terra e mar existem fronteiras bem definidas, ali reconhece-se que a mudança dessas fronteiras implica perder equilíbrios, ali reconhece-se que quando o mar recua ele vai avançar a seguir com mais força, ali reconhece-se que o Homem tem que agir depois de observar, ali reconhece-se que a sabedoria também passa por estar atento às pequenas diferenças e tentar perceber o Mundo como um Todo.
Nesta nossa adaptação à Natureza, o Equilíbrio é feito da constante atenção à Mudança.

Raquel Seruca

4 comentários:

AM disse...

Relatividades...

Como a morte de um só homem, apenas três dias depois, me fez pensar tanto mais que a de tantos milhares...

AMNM

Incoerente disse...

estes posts servem para nos despertar a mente ,
é preciso conscencializar os nossos jovens, para ke evitem sair com hiper mini saias, kando se tá mesmo a ver ke vai estar um frio de raxar ....

AM disse...

Pois

Ainda se mantém o efeito....?


AMNM

Pedro Aroso disse...

Olá Raquel

Obrigado pelo texto.
Gostei muito de o ler.