domingo, fevereiro 19, 2006

Em quem votar?

Sr. Presidente do Jornal das Noticias

O senhor bem sabe que eu leio muito o seu jornal. O meu homem, que todos os dias vai ali pelo café, até diz que num há jornal como este, que vem lá tudo, tudo.
Ele agora quando vem do café, depois de ver as folhas do fim, com aquelas catraias todas descascadas, trás na ideia as coisas malcriadas e num me dá descanso. Ai senhor, e eu cu a minha siatica já num estou práquilo.
Ó senhor doutor, o que queria saber, era mesmo por quem votar lá no partido. O óme diz que é no mesmo, no senhor inginheiro que tem sido tão bão cua gente e que até fomos uma vez no passeio. Diz que foi ele que nos ajudou o rapaz, quando andava aflito, sem ganhar nada nem nada. Mas ó senhor doutor, eu acho que o meu ome, cu isto das raparigas já num anda bão. Porque a piquena, a minha mais nova, diz que num há nenhum inginheiro, que são os dois arquitectos e um até num é de se deitar fora.
Ah! Eu gostava muito era daquele alto que está sempre aos beijinhos e que até chegou a andar na câmara, aquele dos foguetes, coitado do moço. Mas aquilo é que era ome bão, sempre a rir lá no alto, aquilo é que era ome bão. Qué dele?
O meu ome, prontos, é muito das coisas do partido, do senhor inginheiro e assim. Mas isto era preciso era gente nova, pra fazer aquelas coisas todas e assim desta gente que fala bonito que até encanta a gente.
O senhor doutor podia era dizer à gente por quem botar. Assim um que fizesse as obras ali na rua que aquilo até é uma pouca vergonha. Aquele do capachino inda chegou a mandar ai uns homens, uns malcriados, sempre a meterem-se com a piquena que o meu até teve que lá ir. Levou ali porrada de meia noite e quem o safou foi aquele que tambem é do partido que dá consulta no hospital e que foi muito bão com a gente. Mas eu num sei, senhor presidente, aquilo para doutor está bem, mas prá politica, nem se vê nada. Promete mais isto, e mais aquilo e a gente cá na rua num vê nada. Inda da ultima vez, para botar, lá estava ele, a falar, a falar, xiii………….., o que aquilo falava..
E estava lá outro que até me pediu para botar pela Adozinda, que coitadinha tá na cama e num sai de lá. Aquilo é que é uma desgraça desde que óme dela se foi. E num é só na casa dela, porque ele tinha muitos cartões, muitos, muitos. O meu óme disse para eu ir, que até parecia mal e que o senhor era sempre tão bão, e importante também.
Mas eu tou mais pra votar no outro, sei lá num gosto de comida requentada, e já tenho dito aqui ao patrão que quanto mais me mandam para um sítio, mas me apetece ir para o outro…

Ass. Dona Serafina

7 comentários:

Mª Lurdes Delgado disse...

Isto deve ser só para iniciados!

AM disse...

É cara Mª de Lurdes

Quando "eles" começam a falar "lá para dentro", assim "uns para os outros", quem está "cá fora", como felizmente eu estou, não apanha quase nada...

AMNM

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Amnm,
Eu peço desculpa, mas este blog, não fala um bocadinho para dentro? Com gente de tanta qualidade, não seria natural ser um pouco mais animado? Atrair gente diferente? Porque é que estão sempre a "recentrar o problema" sem dar espaço à imaginação? Às vezes nessa suave divagação surgem ideias interessantíssimas.

AM disse...

Cara Mª de Lurdes

Não poderia estar mais de acordo.
No entanto sou apenas um "convidado" que vai tentando rasgar essas fronteiras, na esperança de assim contribuir para outro tipo de discussão.
Até que um dia talvez, lhe peçam discreta e delicadamente para voltar ao Provotar.

Se se der ao trabalho de pesquizar um bocado nos arquivos deste "blog", vai verificar que o mesmo foi iniciado por alguns militantyes (de superior qualidade)do PS e alguns independentes (igualmente de qualidade suprema), mas muito chegados ao PS, como a Raquel que foi candidata nas listas do Assis.
A certa altura, ainda estou para perceber porquê, resolveram convidar um "abstencionista militante", fortemente anti-partidos e descrente deste sistema a que convencionaram chamar de "democracia" e decretar que era a única forma válida de organização da sociedade.
Os meus amigos militantes do PS, neste momento até envolvidos na luta pela concelhia do Porto, tem o firme propósito de "abrir o partido" à discussão e tem uma razuável abertura para a discussão de ideias que fujam do "formatado", mas nota-se claramente um grande desconforto e até, por vezes, uma reacção algo azeda ao meu discurso.
No entanto todos tem demontrado um notável "fair play" e, em geral, optam por me ignorar.

Faz falta um espaço como o que a Mª de Lurdes gostaria, podia até ser aqui...
Com a sua ajuda :-)

Obrigado
AMNM

Mª Lurdes Delgado disse...

Caro Amnm,
Se bem percebi você é descrente deste sistema a que chamam democracia. Mas acredita na democracia? Mesmo com todos as imperfeições, está de acordo que ainda não se inventou nada melhor para nos organizarmos social e politicamente?
Cordialmente

AM disse...

Ora então vamos lá a isso caríssima amiga Mª de Lurdes.

Entendeu muito bem.
Efectivamente sou um descrente deste sistema a que chamam democracia.
Se acredito na democracia?
Acredito claro, o que não acredito é que democracia seja isto, ou melhor que seja só isto.

Essa história de que "ainda não se inventou nada melhor para nos organizarmos social e politicamente" acho que foi primeiro lançada pelo Churchil, mas a mim, a última vez que me tinham vindo com essa história, foi o Assis que me atirou com ela (numa reunião com "bloggers", antes das eleições) e o que eu lhe respondi, é o que lhe repito agora:

É MENTIRA

Eu, sozinho, sou capaz de imaginar muito melhor, por isso, com abertura de espírito e discussão que baste, é possível inventar muitíssimo melhor, basta querer.

Obrigado
AMNM

Incoerente disse...

deus nos livre