sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Freitas do Amaral

Quando da constituição deste governou, identifiquei dois clamorosos erros de “casting”:

O Ministro das Finanças, Campos e Cunha, por ,manifestamente, não possuir as competências necessárias a um bom desempenho da função, pelo menos em termos políticos (dado que a minha (falta de) formação financeira me recomenda que o não avalie nessa área).

O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Freitas do Amaral, por duas ordens de razões:

Uma primeira, de ordem ética, ou pelo menos de complexo “mulher de César”.
Dado não me parecer adequado que alguém, cuja palavra tem, por direito próprio, o peso que deve ter a sua, depois de afirmar a sua vontade de ver o PS ganhar as eleições legislativas, pudesse aparecer com um cargo que se assemelheva a um “pagamento de serviços”.

Uma outra, política, por a figura de Freitas do Amaral ter ficado gravada, ao menos na minha geração como a do "homem da direita", por excelência, por ter sido o fundador e dirigente máximo do partido mais “à direita” do nosso espectro político do pós revolução e também por ter sido, em 1986, o candidato presidencial da “direita”, nas primeiras eleições presidenciais, verdadeiramente livres (de militares) nesta nossa peculiar “democracia”.

Quase um ano já leva este governo no exercício de funções, e, se no que respeita a Campos e Cunha, a minha opinião não podia ter sido mais certeira, já quanto ao restante governo, donde a Freitas do Amaral também, o meu erro não poderia ter sido maior.

De facto, longe de se destacar pela negativa, Freitas do Amaral se fosse a aparecer como
“homem de direita” em nada destoaria do restante elenco.

Só se fosse pela sensatez, pela coragem e pela dignidade de que tem dado provas.

Afinal o grande erro de casting desde o início era Sócrates.

À luz da actuação deste governo demonstra-se cada vez mais acertado o que, em tempos escrevi no Provotar:

A Direita "inteligente"

Apeteceu-me começar a semana com uma provo(c)tação:

Surpreende-me a falta de visão dos "órfãos da direita" que, na "blogosfera" e não só, se lamentam pela falta de uma casa para a "direita inteligente".

Então ainda não repararam que a "direita inteligente" está no PS ?

A "esquerda inteligente" é que está "sem abrigo".......”

António Moreira
PS - Por reparo do nosso amigo Arqtº Pedro Aroso, corrigi Correia de Campos para Campos e Cunha, por ser este último o verdadeiro ex-ministro da finanças

5 comentários:

Mª Lurdes Delgado disse...

Com o Diogo estou em desacordo, embora ele ultimamente não acerte uma, mas deve ser uma crise passageira da meia-idade. Quanto ao que esteve nas Finanças, deve ser competentíssimo nessa área, mas para a política, até eu tinha mais feeling. Agora, já pode acrescentar a Isabel, aos actores que fazem a desgraça das bilheteiras.

AM disse...

Cara mº de lurdes

Este deve ser o único ministro que não é "ajudante" do PM.

Se calhar o que ele diz não é pré-aprovado pelo PM, mas é pós-aprovado o que é ainda mais significativo.

Pensar que a última vez que votei foi para ajudar a impedir que o homem fosse PR :)

AMNM

Pedro Aroso disse...

Caro António Moreira

Estou um bocado baralhado... Correia de Campos não é o nome do actual ministro da Saúde?
Não me recordo de nenhum ministro das Finanças com esse nome...

AM disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
AM disse...

Campos e......

Cunha

È isso, Campos e Cunha era como o homem se chamava.

Tem razão e obrigado Pedro Aroso :)

A culpa é "deles" que dão comigo em doido :)

AMNM