quinta-feira, maio 25, 2006

Acerca do Respeito

Vai faltando pachorra...


Volta e meia lá aparecem, nas caixas de comentários deste “blog”, comentadores anónimos, mais ou menos anónimos, ou nem por isso anónimos, que manifestam o seu desagrado, quer quanto às imagens que publico, quer quanto às opiniões que manifesto, quer quanto às análises que com eles partilho.

O grosso das opiniões de desagrado é direccionado, no entanto, ao meu estilo, sendo que, recorrentemente, se manifestam quanto à forma que, se para uns é deselegante, para outros é arrogante, sendo para muitos até deseducada.

Isto vem a propósito, naturalmente, de algumas reacções, na caixa de comentários do “post” sobre o Carrilho, ao facto de, na mesma caixa de comentários, ter referido, mais uma vez, que a escolha dos eleitos, sejam eles deputados, presidentes de câmara, presidentes da república, excluídos dos “big-brothers” ou qualquer outro tipo de escolha por sufrágio livre, universal e directo, é da responsabilidade daquilo a que referi como «carneirada estúpida, inculta e ignorante».

Daí não se pode inferir, naturalmente, que considere que todos os que ainda persistem em praticar tal acto, pertençam ao «rebanho» que referi.

O que se pode e deve inferir é que considero (e ainda ninguém me convenceu de algo diferente) que a MAIORIA dos eleitores, ou seja QUEM efectivamente DECIDE , é ignorante, inculta e dotada de escassa inteligência (daí o “estúpida”) sendo facilmente «arrebanhada», ou seja dirigida para, em conjunto, efectuar os comportamentos pretendidos por quem conheça e esteja disposto a utilizar as técnicas adequadas ao efeito.

E isso, quer seja para formar “a mais bela bandeira” ou para correr meia cidade do porto de T-shirt laranja a propagandear a “Sportzone”, quer seja para entregar todas as suas poupanças ao mais desonesto vigarista, desde que bem falante.

E assim, naturalmente também, para entregar a direcção da “coisa pública” à ralé que nos tem governado quer a nível central quer a nível local.

Claro que, como é sabido, o “povo tem sempre demonstrado uma grande sensatez” e por isso nunca os eleitores de Gondomar elegeriam Fátima Felgueiras, os de Oeiras elegeriam Valentim Loureiro, ou, muito menos, os de Felgueiras confiariam os destinos da sua terra a um qualquer Isaltino.

Esclarecido este ponto, e regressando ao “estilo”, convém aqui e agora lembrar que o acesso a este blog é gratuito, ou seja, os leitores nada pagam, mas tal não significa que o que aqui se faz seja uma qualquer forma de serviço público a que, por força da minha formação humanista, me sinta de alguma forma obrigado.

É algo que faço porque me apetece e, assim, da mesma forma, quem lê deve apenas ler se lhe apetece e comentar se e como lhe apetece.

A diferença reside apenas em que quem me lê não me pode censurar (tirando os co-autores que nunca manifestaram qualquer vontade de o fazer e, naturalmente, o fariam uma única vez), enquanto que eu posso censurar os comentários que me desagradem (se bem que, até agora, apenas o fiz em situações extremamente deseducadas, envolvendo usurpação da minha identidade).

Convém ainda esclarecer que, ao contrário dos que (políticos, jornalistas, actores, etc.) dependem dos favores do público para o seu sustento, eu não pretendo enganar quem me lê, fingindo nutrir, à partida, qualquer respeito pelos leitores enquanto “classe” ou sequer enquanto “indivíduos”.

Nutro, isso sim, respeito por quem, em meu entender, o merece e, da mesma forma, não respeito quem, em meu entender, o não merece.

A única coisa que garanto, é igualdade à partida.

Depois, eventualmente, acaba por nascer e pode até crescer o meu respeito por alguns, enquanto que por outros, se vai passando exactamente o contrário.

Outros haverá que continuarão a merecer apenas indiferença, desdém ou, nalguns casos, condescendência.

Mas isto é apenas uma descrição, que apenas interessa a quem interessar (e não vejo porque poderá interessar a seja quem for), da forma como eu “vejo” os outros, e os “outros” neste caso são os que apenas “conheço” pelo que escrevem aqui e noutros meios que também frequento.

Algo muito diferente é a forma como os “outros” que também apenas me “conhecem” pelo que escrevo, aqui e noutros lados, me vêem a mim, e desses, naturalmente, apenas me interessa a “visão” dos que me merecem respeito.

Desses agradeço e leio com atenção, quer as opiniões, enriquecedoras sobretudo se diferentes da minha, quer os reparos quanto à forma que utilizo para me exprimir.

Dos outros, não.

António Moreira

14 comentários:

Incoerente disse...

Ora assim já nos entedemos, aceito com todo o agrado os argumentos apresentados , não tenho absolutamente nada contra eles, ou contra a postura pessoal ke kalker um adopta -

1- claro ke é livre de escrever como entende, mas kem escreve (axo eu) espera pela resposta

2- na mesma medida em ke é livre para apelidar os ke o leem, de grunhos, tambem os visados deverão ter liberdade para contrapor esse argumento , e assim a liberdade nunca se esgota

3- se por outro lado na liberdade encerrarmos as discussões ou provocações com insulto , coajimos a liberdade de kem não pretende responder na mesma moeda

4 - o mais importante disto tudo é ke se trata de um entretenimento, o ke se pretende é debater argumentos, contrapondo a opnião do proprio em varias situações

5- se contrapor gera conflitos , então deve-se encerrar a caixa de comentarios , dado ke kem dá opnião deve estar apto a recebe-la, se não esta- tem ke assumir

6- se é insulto comparar alguem aos porcos, ou a MMC , isso depois já depende de cada um
e disso depende a forma como a seguir se exprimem

7- face ao desrepeito mt vezes preconizado, provavelmente não haveria resposta ou seker contacto , se ela existe é porke no fim traz algo de positivo - o humor por exemplo

para encerrar discordo completamente disto:

« quem me lê não me pode censurar (tirando os co-autores que nunca manifestaram qualquer vontade de o fazer e, naturalmente, o fariam uma única vez), enquanto que eu posso censurar os comentários que me desagradem (se bem que, até agora, apenas o fiz em situações extremamente deseducadas, envolvendo usurpação da minha identidade).»

De resto , gostava de ver aki um bom regresso ás imagens e criticas de outros tempos....

valeu a pena esta resposta? não , mas estava na minha pausa pa cafe e estou sem a minima vontade de pegar na papelada... as vezes axo ke andamos todos no mundo à espera da reforma ....

é ke nem seker o MMC interessa discutir, mas segundo estudos recentes a maior necessidade do homem moderno é ocupar o tempo ke urge e parece sempre mal preenchido

(claro ke em pausa, podemos dar erros de ortografia)

Pedro Aroso disse...

Caro António Moreira

Não é só você que acha que "a MAIORIA dos eleitores, ou seja QUEM DECIDE, é ignorante, inculta e dotada de escassa inteligência (daí o "estúpida") sendo facilmente «arrebanhada», ou seja dirigida para, em conjunto, efectuar os comportamentos pretendidos por quem conheça e esteja disposto a utilizar as técnicas adequadas ao efeito". Com efeito, houve outro António, mais conhecido por Salazar, que pensava exactamente da mesma maneira...

Um abraço
Pedro Aroso

pedro silva disse...

Caro AM:
passem isto a sistema de comentadores registados.

E realmente conordo consigo; a maior parte dos eleitores é carneirada idiota.
No caso do militante médio do PS deve -se multiplicar por mil.
Gostam muito de falar de boa educação, de ética e demais finuras.
O problema é que o barco geral chamado portugal está-se a afundar e quando as coisas se afundam e ainda existe hipótese de o evitar as coisas tem que ser ditas de forma concreta e à bruta e não com finuras.

O problema é que o mlitante médio do Ps não quer ouvir ou ler aquilo que tem que ser dito.
Contenta-se em ser "comido " pela direita neoliebral, pela igreja católica,e por interesses osbcuros e nadademocráticos que estão,quer dentro do PS, quer a pairar à volta. E no fim agradece.

Já para não falar no simplismo:se algo foi feito no mandato do ps,é bom.
Quem critica isso é de direita.
E assim, alegremente, estas abéculas continuam a permitir a erosão da ideia de esquerda na sociedade, e o avanço de forças não democráticas ,porque não reajem.
A sua ética muito particular apenas permite elevadas considerações acerca de boas maneiras.

O resultado é o estado a que isto chegou.

AM disse...

Caro Pedro Silva

Obrigado por comentar

Como sabe estou, no geral, de acordo consigo.

Não estou no particular pois não acho que o militante médio do PS seja mais ignorante, inculto ou estúpido que os demais.

Os votantes dos outros partidos são, com raras excepções que ocorrem também no PS, feitos da mesma massa (note, em reforço desta minha tese, que os dois comentadores anteriores não são assumidamente eleitores do PS, sendo que o seu homónimo até já foi vereador da CMP :-O).

Penso isso sim que o eleitor médio do PS é mais "bem intencionado" que os de outros partidos (esses mais "ressabiados") e, talvez por isso mais "arrebanháveis".

Como é mais do que evidente porém, concordo a 100% com a sua afirmação de que: «O problema é que o barco geral chamado portugal está-se a afundar e quando as coisas se afundam e ainda existe hipótese de o evitar as coisas tem que ser ditas de forma concreta e à bruta e não com finuras.»

Um dia destes traga o "cão" a passear neste jardim :-)

AM

maloud disse...

Quanto ao acto de votar ou não votar, eu que sempre votei desde a Constituinte, já disse ao AM que ainda, do meu modesto ponto de vista, não se encontrou melhor forma de participação dos cidadãos. Claro que também lamento que muitos não sejam mais cultos e esclarecidos, e que outros tenham de escolher o que consideram o mal menor. Deve ser o meu caso, eleitora média do PS, portanto abécula.
Quanto ao estilo e à linguagem, até ao momento nunca me senti ofendida, e procuro também não o fazer, portanto, enquanto este espaço estiver aberto aos comentários, fá-los-ei, dentro do meu estilo, sem inibições.

AM disse...

Cara Maloud

Parece que foi Churchil que inventou o sofisma que tem sustentado esta estranha forma de "democracia", ao menos servindo de consolo aos que vêem as suas falhas e limitações, mas não querem dar o passo seguinte, então repetem, como a Maloud «não se encontrou melhor forma de participação dos cidadãos».
No dia em que conheci pessoalmente os restantes autores deste "blog", Francisco Assis também me atirou com essa frase...
Tal como a ele tenho a obrigação de lhe responder, Maloud,
É mentira
Simplesmente é mais fácil não pensar e não procurar alternativas.
Agora se eu sem ajuda sou capaz de pensar em diversas alternativas mais eficazes e mais justas, decerto que com mais gente e gente mais capaz que eu, se assentava num sistema muito mais perfeito em três tempos.

Mas claro, dá trabalho pensar, não convém mexer no que está quieto e isso tudo é uma grande canseira...

Agora quanto a ofensas, amiga Maloud, nunca aqui se procurou ofender ninguém, mas vai a ver-se e há sempre quem goste de cá vir armar-se em ofendido e volte e volte e volte... :-)

Feitios
Obrigado por discordar e comentar :-)
AM

pedro silva disse...

Maloud:
Eu falei em militante médio do ps.
Não em eleitor.


AM:
Eu não gosto da condescendencia aparvalhado dos militanets do PS; da falta de sentido acritico da esquerda em geral.
No caso do PS irrita-me particularmente, precisamente porque détem o poder de tomar decisões concretas e a unica coisa que fazem quando chegam ao poder é deixarem-se enredar em pequenas trapalhadas e confusões , em gozarem sistematicamente com as expectativas de quem os elegeu e, em entreterem as pessoas com "petit fait divers" para encher chouriços.

Depois irrita-me o medo constante que tem; a bajulação à entidades absolutamente ridiculas como a igreja católica e o patronato e certas classes profissionais.

Isto no manso PS de esquerda.

No actual PS neoliberal nada existe.
Apenas alianças tácitas com as forças acima expostas.
E o que me deixa perplexo é a imbecilidade do militante médio do PS que não vê ou não quer ver que está a caminhar para o fundo do poço, convencido que está a subir para o céu.


Quanto ao cão, é dificl fazê-lo passear.
Cão muito pouco obediente e muito inteligente.
Pouco dado a comentar, por opção própria.
Tem a ver com uma estratégia nossa...
Além disso o cão tem que escrever uma coisa de 200 páginas e tem que ficar bem feito..

pedro silva disse...

AM:
Nota aparte:
francisco assis; o peru emproado e com dores de costas.
Concordo.É mentira.
A conversa do "nãos e encotrou nada melhor" apenas serve para deixar as pessoas a fecharem os olhos e a não fazerem nada.

É um chavão de um imcompetente que não tem ideias. Nem quer ter.

AM disse...

Pois Pedro

Na verdade o facto de o PS ser eleito com votos "de esquerda" e depois os seus eleitores (e os seus militantes) aceitarem com tal mansidão este embuste, é suficiente para enervar qualquer um.

Quanto ao "cão" «muito pouco obediente e muito inteligente» compreendo perfeitamente (talvez por ter um da mesma raça cá em casa...) mando a melhor sorte para as 200 páginas (que gostava de ler se públicas)

Abraço
AM

rb disse...

Só para dizer que o bicho-eleitor não é tão estúpido como muitas vezes o querem fazer pintar. Parece mas não é. Não conhecer a fundo (ou nem à superfície) as questões políticas mas tem um faro e uma sensibilidade que o levam a maior parte das vezes a fazer as opções sensatas, ainda que por vezes não sejam as nossas.

AM disse...

«...mas tem um faro e uma sensibilidade que o levam a maior parte das vezes a fazer as opções sensatas...»

Sem (muita) ironia caro Atento:

Claro que sim e eu proprio reconheci isso no meu "post":

«Claro que, como é sabido, o “povo tem sempre demonstrado uma grande sensatez” e por isso nunca os eleitores de Gondomar elegeriam Fátima Felgueiras, os de Oeiras elegeriam Valentim Loureiro, ou, muito menos, os de Felgueiras confiariam os destinos da sua terra a um qualquer Isaltino.»

Eu não é assim?

:-)
Abraço
AM

pedro silva disse...

AM

quanto ao cão:
EM PRINCIPIO só 3 ou 4 pessoas terão directo acesso as paginas antes d euma certa data e não sei se serei eu a ter esse acesso.
Caso tenha será no sentido de dar sugestões minimas ao cão e mais nada.

O cão sabe mais do assunto do que eu,obviamente - eu apenas funciono como critico e anticonformista do cão...ele por seu lado faz-me o mesmo a mim.

Quanto à esquerda e eleitores é claro que o sr socrátes e quejandos é um embuste completo.
Não demosntra qualquer vontade de fazer uma política de esquerda séria e responsável, nem quer.
Perante isto, os simpatizantes apaludem ou calam-se convencidos de que quem faz criticas é da direita ou de outro sitio qualquer.

No fim ficarão convencidos e abnsolutamente espantados quando perderem eleições e forem varridos, que existiu alguma "força oculta"anti PS que derrotou o partido.
Ela está lá ,mas está dentro.

E quanto à sabedoria dos eleitores essa é a maior falácia que actualmente se pode ver.
Os eleitores nada sabem do que estão a votar nem sequer compreendem o que está neste momento em causa.
Nem querem saber...

AM disse...

Caro Pedro Silva

Quanto ao resto estamos de acordo.

Quanto ao "cão" também :-)

O meu interesse em ler obra (ainda mais) séria da sua autoria radica apenas na admiração que fui desenvolvendo quer pela forma como escreve quer, principalmente, pelo modo como PENSA.

Assim caso possa ler depois dessa certa data está mais que bem :-)

(e se não puder (por questões de anonimato ou outras) está mais que bem também) :-)

AM

Sliver disse...

Observatório da Jihad
http://www.observatoriodajihad.blogspot.com/