terça-feira, maio 23, 2006

Carrilho de volta

Ontem vi um dos melhores debates televisivos dos últimos tempos. Simplesmente porque vi gente a reduzir a hipocrisia ao mínimo necessário para não ter de pagar indemnização em tribunal.
Se é verdade que Carrilho tem muitos telhados de vidro, também é injustificável que como alguns escrevem, o Ricardo Costa tenha saído vencedor pela última frase que disse: “E você é o rosto da derrota”. Primeiro porque a Sic foi um dos rostos daquela derrota, e os outros dividem-se entre rostos delicados da Bárbara Guimarães, babosos de Dinis Maria, ocultos de Stanley Ho, dissimulados de Cunha Vaz, ausentes de Edson Athayde, e apalermados do não-sei-quem assessor e ex-jornalista da TVI, e por ai fora.


Por outro lado toda a gente sabia que Carrilho era o rosto da derrota, porque deu a cara por ela (a derrota), o que não sabíamos era que fosse o Ricardo Costa o rosto da vergonha, porque ontem também ele deu a cara por ela (a vergonha, as agências, as acusações a quando foi conivente com Emídio, e até ao embaraço da difamação dissimulada de Carrilho sobre os 100 mil euros – a não ser que só eu tenha percebido nas entrelinhas uma óbvia denuncia pública como aquela)

Mas o melhor é que finalmente percebe-se que no meio destas campanhas há muito para perceber. E olhem que eu já acompanhei bem de perto algumas, mas nitidamente Lisboa é um caso à parte.

Parece-me que Pacheco Pereira não foi lá fazer nada, tanto que repetiu o que toda a gente sabe: Carrilho lida com a mediatização. Certo, portanto algum populismo, ou seja ser mediático e depois queixar-se dos limites da mediatização é mau.



Pois, pois, é como o caso de PP que é sempre tão anti-populista que ele próprio já usa o argumento como uma arma populista por si só. Seja contra os espectáculos mediáticos como Talk Shows, debates com modelos americanos, futebol, etc. Aliás PP apoiou o populismo anti-populista de Rui Rio e Carmona Rodrigues.
PP é assim e por dedução óbvia, um populista demagogo, que versa sobre estas matérias com um enfadado ar de cátedra que não devia pôr. È tão fashion um político ser arauto dos anti-populistas que aquilo a mim só me convence que poucos haverá a usar de tão elaborado populismo.

Carrilho nunca escondeu a sua posição de busca de exposição pública, aliás visível quando diz que o aperto de mão seguinte foi público e o não aperto primeiro foi privado, tem razão nas duas coisas, mas diga-se o que se disser, o que fica de um homem nunca é a posição que ele toma em cada momento, mas sim a coerência que demonstra ao longo dos vários episódios. Na verdade Carrilho devia aprender por exemplo com Pinto da Costa como se gerem os apertos de mão e os encontros casuais. E nisso Carrilho falhou, por isso perdeu! Por isso e por existirem interesses especulativos que ajudaram a facilitar essa derrota.



Mas o debate foi bom porque demonstrou quanto é difícil definir o fim político de alguém. Carrilho conhecendo este circo trocou-lhes a máxima de que “quem vive pela imprensa morre pela imprensa”, e atacando a imprensa teve da imprensa na ultima quinzena o fôlego para voltar a uma posição política activa.

Ficou evidente que este vaidoso professor de filosofia é unânime quanto à aceitação popular do seu trabalho enquanto executivo no ministério e deu pistas a Santana Lopes de como as travessias no deserto já não curam doença nenhuma. E quem anda por aqui anda, quem não anda, não anda.




Mas Carrilho fez-nos a todos o favor de não se reformar antecipadamente – bem haja que eu gosto mais de gajos assim do que dos cinzentos que grassam na nossa vida política. Ama-me ou odeia-me, mas respeita-me. Eu respeito-o.

44 comentários:

Incoerente disse...

Não imaginava que o debate pudesse ser tão interessante , por acaso ontem fiz zapping e lá estava ele com aquele ar de metropolitico, pa não dizer metenojo, prefiro mil vezes a desistencia do Alegre que a baboquice do Carrilho, respeito por um pretencioso, que poem a sua imagem a frente dos interesses do País?!

Rua com esse senhor, para sempre é uma mancha no PS , desde sempre

avelino disse...

Pois Inkoerente é melhor os gajos dos partidos que ninguém Konhece e Ke ninguém sabe o Ke pensam????????

També acho vaidoso, arrogante e trau pau pimba.

Aliás os portugueses de sucesso tem esta tendência - vide o Zé Mourinhouuuuu.

Anónimo disse...

Tenho alguma dificuldade em entender como é que alguém que vai fazendo política com dignidade (o Avelino, tanto quanto sei) consegue respeitar um tipo como o MMC que:
- altera o conteúdo de entrevistas quando as publica num livro;
- faz insinuações baratas como a de que o marcelo teria falado com o MMendes;
- faz insinuações graves como a de que o MSarmento parava no Casal Ventoso;
- e depois diz que é vítima de uma maquiavélica conspiração...
Já nem falo nos detalhes menores do aperto de mão ou do vídeo do filho. Mas os exemplos acima (que se bem ouvi no debate de ontem são mesmo assim) são para mim suficientes para perceber que se trata de alguém com um mau carácter (ou até sem carácter nenhum) e, sem entrar em demagogia, gente assim não interessa em lado nenhum.
Eu sei que dá colorido á vida política e até é mais interessante que os tais cinzentões que ninguém conhece.
Mas é isto o melhor que há?...

AM disse...

Caro Avelino

Excelente análise e excelente "post", os meus parabéns.

Infelizmente porém mais uma vez ontem ficou por fazer a análise necessária mas incómoda quanto ao que fale afinal a nossa (e as outras) "democracia" e sobre quem escolhe afinal os eleitos, serão os eleitores ou os "opinion makers".

A campanha de Carrilho (a sua derrota) foi reduzida a dois pontos "altos":
O vídeo miseravel com a mulher e o filho.
O não aperto de mão ao adversário badalhoco.

É indubitável que Cahrrilho é responsável por ambos.

Num deles por ter querido tirar partido do "mediatismo" da mulher (é bem feito).

No outro por não ter assumido, dai em diante, a coerência de não apertar a mão a badalhocos.

Mas a principal responsabilidade por a escolha do eleitorado (ou seja, da carneirada estúpida, inculta e ignorante) ter sido formada quase exclusivamente pela valorização desses "fait divers" foi inteirinha das EMPRESEAS de comunicação social.

É preciso assumir, de uma vez por todas que antes de tudo o mais as EMPRESAS de c.s. são EMPRESAS, ou seja, o seu primeiro objectivo (e muito bem) é criar resultados para os accionistas e não fornecer informação , opinião e análise verdadeira e independente aos seus clientes.

Os resultados obtém-se da maximização de receitas (vendas/audiência e publicidade, pelo menos) e minimização de custos (investigação, confirmação de fontes, bons profissionais, etc.)

Ou seja a opinião pública, ou seja a opinião de quem decide, os eleitores ((ou seja, mais uma vez, a carneirada estúpida, inculta e ignorante) é formada por EMPRESAS que tem a sua agenda e os seus objectivos próprios, os quais raramente (para não dizer nunca) coincidem com os interesses e os objectivos da sociedade e do seu desenvolvimento...

É esse o caminho que é necessário trilhar.

É esse o debate que falta fazer.

É esse o problema que urge resolver.

Ou um dia esta "choldra" vai mesmo ao fundo.

AM

Incorente disse...

Avelino, não gosto da forma como esse Senhor pensa o país ou da maneira como pensa que se faz politica em Portugal
compreendo que todos os politicos possam ter um Carrilho dentro de si, mas a admissão frontal do ex da Cultura mais do que uma baboquice é um abuso , um atentado à inteligencia dos portugueses.

Esse senhor poderia ter publicado o livro com fins democraticos, mas nem isso lhe podemos aproveitar

o Avelino desculpe , mas kt a mim , o Carrilho esta para a politica como o José Castelo Branco esta para a sociedade portuguesa - estão os dois bem para o pagode da sua propria imagem....

incoerente disse...

O Homem fez o favor de não se reformar, mas que fez a seguir?

Rebateu-se pelo seu programa de candidatura, reclamou das opções tomadas pela Autarquia, aproveitou para finalmente trazer a publico aquilo que considerava fundamental para a Capital do Pais?

- pois ainda bem ke não se reformou, assim pode continuar o seu trabalho (arduo) pelo reconhecimento publico do seu valor pessoal

avelino disse...

Pois sim senhor o Carrilho tem muitos defeitos sim. Faz mt asneira especialmente qd abre a boca para agredir outros - sim.
MAs não vive na espuma dos dias. Não é o meu modelo, mas não é pior do que o Pacheco Pereira, nem as suas insunuações sobre Sarmento foram piores do que as de PP sobre Santana. O estilo diferiu sim senhor. Mas estava lá tudo.
Não venho defender Carrilho e menos ainda as asneiras que tantas vezes fez. Mas sim dizer que neste modelo de sociedade que é atroz a julgar as pessoas pelos seus comportamentos e não pelo conteúdo das ideias que trazem.
Aí Carrilho será sempre polémico, intratável e mais o que lhe quiserem inventar.
Mas tenho a certeza que de entre todos os seus defeitos não encointraria a promiscuidade com o novo casino de Lisboa e com A Alta de Lisboa e com mais uma quantas. E tb a cidade, creio estaria melhor servida de presidente.
Carmona não fala como ele nem insulta ou agride com as palavras, mas será que essas cedÊncias aos interesses que estão provadas ter sido feitas não mais próximas do crime que as atuardas do Carrilho? E afinal´só é sério quem parece? Ou quem realmente é?
Não defendo os subsidios ao programa da Bárbara para a engatar, nem a censura sobre as entrewvistas, nem subscrevo as palavras dele sobre o sarmento (apesar de me recordar que antes o Morais lhe chamou atrasado mental e falou do wc - se a memória não me atraiçoa).

Anónimo disse...

Caro Avelino:
A memória atraiçoa-o. O que o Sarmento disse foi que não conhecia ao Carrilho qualquer pensamento cultural anterior a 95. Enfim...
Desculpe lá mas essa coisa de que o estilo do JPP é diferente mas o conteúdo é igual só serve para meter tudo no mesmo saco e passar a tal esponja de que o Rangel falava.
Também não acho que se ganhe nada em julgar só pela forma e não pelo conteúdo. Mas note bem que há questões de forma que são de tal maneira importantes que não as podemos "dar de barato". Se um tipo é mentiroso, então para mim isso já chega e não preciso de saber qual o conteúdo. Se tem a falta de carácter que, na minha opinião, tem o Carrilho, então também já não preciso de saber mais nada.
Estaria Lisboa melhor servida? Talvez. Se calhar também o Porto. Mas votou quem votou e ganhou quem ganhou.

Anónimo disse...

"não vive na espuma dos dias" ???

Desculpe lá mas explique lá isso (se não se importar).

Se há quem viva na espuma (ou se quiser na onda) são precisamente os Carrilhos e os Santanas.

Ou não?

Incoerente disse...

Sim, compreendo a ideia , ja tinha compreendido, entre tanta falta de rigor e seriedade, provalvemente Carrilho ganha na frontalidade com que assume esses defeitos , ok, ate aki tudo bem.
O problema é que o faz em proveito proprio , por isso continua a não ser uma qualidade politica que lhe possamos atribuir, porque nessa atitude nada traduz o interesse COMUM.

Nem sequer consigo falar de Carrilho enquanto um politico Socialista, fala-se de Carrilho como membro isolado , porque dele não sobressai mais do que a sua propria imagem, onde estão as politicas, a continuidade na luta, o trabalho de oposição?

Infelizmente há imensos carrilhos em todos os partidos, uns mais claros que outros, se calhar a maioria deles lamenta não ser tão famoso como ele - isso é um facto, mas é um facto negro para o estado da politica nacional.

Obvio que a comunicação social é um aparelho motor do aparelho partidario, todos sabemos isso, mas seria impossivel de qualquer maneira Carrilho ganhar a CML , partiu de um mau principio - principio do elitismo que cada vez mais se abomina.

Digo eu não sei, efectivamente não consigo integra-lo em qualquer visão politica.

maloud disse...

O Carrilho já todos conhecemos e mais ou menos temos opinião formada. O debate de ontem serviu-me para conhecer Ricardo Costa. Não sei se tem pior carácter que Carrilho. Agora melhor não tem de certeza. A SIC-N dirigida por esta personagem, que não vai a votos, mas influencia os votos, dá que pensar.

rb disse...

Concordo com o Avelino - Carrilho vale muito mais pela substância do que pela forma, o que é bom. O problema é que ele se deixou levar pelo mediatismo onde só a forma é notada e o conteúdo desprezado. Em suma, é um político inteligente e com capacidade mas uma personalidade insuportável. E isso paga-se caro em TV. Nisso devo concordar com JPP.
Um ponto do debate em que Carrilho esteve bem e acertou em cheio em JPP foi quando este o acusou de mediatismo excessivo e Carrilho ripostou devolvendo-lhe a acusação, pois, ele (JPP) também cedeu ao mediatismo ao dar unicamente importância a esse excessivo mediatismo de Carrilho e não às suas ideias políticas.
Quanto amim, RC, revelou grande coragem ao ir à estação concorrente defender-se, em directo, de ataques ao seu trabalho enquanto director de informação da SIC. Levou muita pancada, é certo, mas também deu alguma, e sempre mantendo um certo nível, coisa que o seu principal oponente não foi capaz.
O que mais me irrita nestes debates sobre estes meandros é que anda-se às voltas e às voltas e nunca se chega a lado nenhum. No final do debate pareceia que estavam a falar de futebol, sempre a levantar suspeitas sem as concretizar. Todos sabem que há interesses económicos por trás da comunicação, do jornalismo e da política, mas a verdade é ninguém se atreve a denunciar. E depois engraçado ver que todos se acusam uns aos outros disso mesmo. Exemplo: o ER desafiou o JPP a dizer nomes e vice-versa. E não saímos disto. No final foram todos para os copos e pronto.

avelino disse...

Esperem lá....
mas se o estado das eleições é aquele quem é que é menos manipulador que carrilho?
Quem é que respeita as contas da campanha? Quem nã pressiona os órgãos de comunicação?
Carrilho é de facto muito elástico nos seus conceitos de liberdade de expressão. Mas o que está aqui em causa não é isso, é a qualidade política além dos defeitos. Ou será que os itens negativos anulam os positivos. Ou só podemos ter virgens na política apesar de conhecermos as mães nos outros lados todos?

FInalmente dizer ao João que ele tem razão, perdemos porque quisemos e não porque ele puderam. Mas isso são outros quinhentos

JF disse...

Caro Avelino,

Não sei se o João sou eu (tb sou) mas aqui vai:

"Ou será que os itens negativos anulam os positivos"

Precisamente. Um tipo que é mentiroso não serve. Um tipo que não tem carácter também não. Não se trata de ter só "virgens" e eu não sou daqueles que exigo aos outros (por ex aos políticos) virtudes que eu não tenho. Mas há princípios de que não abdico e não aceito que alguém que "gere a coisa pública" não os cumpra. Mesmo que seja um tipo muito culto e cheio de boas ideias.

Vai-me dizer que sou ingénuo e que nos partidos quase todos mentem e muito poucos têm carácter. Pode ser. Mas como para mim são questões de princípio, eu insisto nelas.

Vou recorrer ao futebol para que perceba bem a minha posição (mas note bem que não tenho qualquer pretensão de convencer seja quem for): sou portista desde sempre, já tenho uma medalhita por ser sócio há mais de 25 anos, os meus filhos são todos sócios desde que nasceram... Enfim, são tão portista quanto se pode ser. Mas se o PC mete a mão na massa eu acho que deve sair e responder por isso. E como procuro ser coerente nas minhas acções, já fui mais que uma vez a AGs do clube e da Sad e não votei a favor das contas. Apesar de ganharmos taças e campeonatos. Mas se alguém rouba, deve ir preso. Com taças ou sem taças.

Voltando ao Carrilho, é evidente que ele nãpo é nem mais nem menos que muitos outros que por lá andam. Mas é o único que anda a fazer o papel de vítima (houve outro mas agora anda por aí...) e a armar-se ele próprio em virgem. Vítima de quem? Dele próprio - só ele é que não vê.

Finalmente, sobre a quaestão do substracto: ou sou eu que sou muito desatento ou anda por aí um mito sobre o professor de filosofia que é isto e aquilo. Confesso que, nomeadamente no que respeita a Lisboa, não vi lá grande substracto...

Angie disse...

Não sou do PS, como já aqui tenho dito frontalmente.
Por isso, podem desvalorizar as minhas palavras!
Não sou, também, especialista na matéria, mas tenho dito muitas vezes que MMC foi o melhor Ministro da Cultura que tivemos.
Isso explica-se de muitas maneiras: não apenas pelos seus méritos próprios indiscutíveis (trabalho aturado; visão estratégica; vocação e conhecimento da pasta), mas também por uma coisa que o transcende completamente: - a importância (dignidade) que tradicionalmente os governos de esquerda dão à Cultura na partilha governamental:
- quer na estrutura orgânica (ministério);
- quer no high profile das pessoas que afectam ao pelouro;
- quer nas verbas que lhe reservam.
Infelizmente para o país e vergonhosamente para a direita, a cultura tem sido uma coutada de esquerda. O que só lhe fica bem.

Mas não cesso de me pasmar com a inabilidade de MMC!!!
Porque definitivamente NÃO É uma simples falta de jeito para se mover na política, como acontece a tanta (boa) gente, por isso mesmo crucificada.
Nada disso. Para mim, o caso é bem pior.
E só lamento que a sua inegável inteligência sucumba, tão confrangedoramente, a tamanho “umbiguismo” e hipertrofia do "eu".
É que sucumbe mesmo....

-Como é possível que ele não perceba que, se CvSlv, FRodr, AºGut (casos por ele invocados) e ainda outros, apareciam pontualmente com as mulheres, isso não é comparável ao caso dele? E queira reclamar a mesma (pequena) quota de “efeitos expoactivos”?

- Como é possível que ele reclame para o seu livro o estatuto de obra de “análise objectiva” sobre as relações entre a comunicação social e os políticos, e o contradiga permanentemente, descambando sempre num subjectivismo redundante, recorrente, quase neurótico? E aí, desculpem lá, PP acertou na mouche quando apontou a escolha feita para a capa do livro! Qualquer um sabe que uma capa não é de todo inocente do ponto de vista da “biblio-iconografia”! Muito pelo contrário.

- Como é possível que ele se considere o único entre os políticos “perseguidos” e se lance naquela histeria esquizóide, incapaz de ver a floresta, e teimando em ver apenas a (SUA) árvore?

- Como é possível que ele ache eticamente reprovável que as câmaras recolham imagens sobre uma atitude que ele “julgava” estar a tomar em privado, admitindo implicitamente que, se tivesse percebido, fingiria ser outra pessoa em público? E se ache vítima de 1 armadilha? Reprovável eticamente não será antes ter 2 rostos, 2 pesos e 2 medidas, um para enganar o público ELEITOR e outro diferente, que é o que na realidade pratica, e praticaria, em privado? O que é dizer, no gabinete da Câmara Municipal, nas reuniões de Câmara, com os Vereadores, com os munícipes, etc, etc?!

- Como é possível que lhe saia um “de profundis” como aquele do “ser um académico, um professor doutor a sério e não de aviário, com obra publicada”, etc. etc?! Não é isto de um provincianismo atroz?!!! Então ele não entenderá que essas coisas não são “colectáveis” em política, a não ser indirectamente? Que essas honrarias não se invocam nem se reclamam, reconhecem-se?! Que há centenas de outros políticos com igual gabarito académico e que por isso ele não é realmente nenhuma “avis rara” a quem tenhamos que agradecer, em vénia profunda, a dádiva do serviço à coisa pública?!

- Como é possível, enfim, que tanta sobranceria e sentido de elite, tanta honradez ofendida, tanta dignidade doutoral e superioridade ética conviva de mãos dadas com um “sponsor” da laia de Emídio Rangel?! Cuja deontologia, retratada em profusa comprovação casuística (com foros de anedotário nacional) é a que todos os portugueses recordam e conhecem?!

- Como é possível, enfim, tamanha falta de bom senso, de intuição, de sentido de medida?!

Há muito que não assistia a um espectáculo assim.
Foi realmente confrangedor o exercício suicidário! Puro hara-kiri! Mas este sem honra, porque ele não reconhece, por um segundo que seja, a própria responsabilidade dos seus actos nos efeitos que o assolam...

É triste.
Mas concluí ontem que Manuel Maria Carrilho não precisa de uma conspiração de jornalistas e de poderes ocultos para perder as guerras.
Ele sozinho dá 100% conta do recado.

AM disse...

Cara Angie

E é tão agradável lê-la por aqui.

Concordo a 200% com quase tudo o que escreveu, mas, acima de tudo com duas das suas afirmações:
«...MMC foi o melhor Ministro da Cultura que tivemos...» e
«...Manuel Maria Carrilho não precisa de uma conspiração de jornalistas e de poderes ocultos para perder as guerras.
Ele sozinho dá 100% conta do recado»

Mas, o problema, quer deste post, quer de tantos outros que nascem como coelhos por essa blogosfera, é que MMC é um excelente alve, como disse o "outro" ele "põe-se a jeito".

assim a atenção é desviada da mensagem , para o mensageiro, que, ainda por cima, não teve a coragem para dar a mensagem por inteiro.

E, repetindo-me:

«...A opinião pública, ou seja a opinião de quem decide, os eleitores ((ou seja, mais uma vez, a carneirada estúpida, inculta e ignorante) é formada por EMPRESAS que tem a sua agenda e os seus objectivos próprios, os quais raramente (para não dizer nunca) coincidem com os interesses e os objectivos da sociedade e do seu desenvolvimento...

É esse o caminho que é necessário trilhar.

É esse o debate que falta fazer.

É esse o problema que urge resolver.»

Estamos a esquecer o essencial qundo nos concentramos no acessório.

Carrilho a Bárbara e o Diniz, não passam do acessório...

Obrigado
AM

Incoerente disse...

A analise da Angie esta excelente, note-se ke este comportamento de MMC não é fruto de kalker keda acidental - é a imagem de marca deste senhor ke já enkanto ministro fazia kestão de mostrar.

Entendo ke o Avelino não goste de ver os do seu partido vitimas da hipocrisia geral, mas há ke entender ke MMC construiu a sua politica com base na sua imagem, agora ke a imagem debotou - ninguem vai ter humildade ou comprensão para lhe perceber os traços.

Pedro Aroso disse...

Sabiam que o Ricardo Costa é irmão do António Costa (destacado dirigente do Partido Socialista e Ministro da Administração Interna)?

Pedro Aroso

Anónimo disse...

Nãããããooooooo....

:O

maloud disse...

Pedro Aroso
Acho que toda a gente sabe que ele é meio-irmão do António Costa.

Incoerente disse...

Ricardo Costa ?! claro todos sabemos ke vai para o Benfica nesta jornada

Hum...

rb disse...

Angie,

Bons olhos a leiam, é sempre um enorme prazer.
Subscrevo quase por inteiro a sua análise apenas com uma pequena divergência aqui:
"-Como é possível que ele não perceba que, se CvSlv, FRodr, AºGut (casos por ele invocados) e ainda outros, apareciam pontualmente com as mulheres, isso não é comparável ao caso dele? E queira reclamar a mesma (pequena) quota de “efeitos expoactivos”?"

Só porque a mulher é muito mediatica ele devia abdicar do seu apoio na campanha. A culpa do excesso de exposição também não é dos jornalistas e dos comentadores que a isso deram tanta importância? Carrilho até podia pensar que o mediatismo da sua família o pudesse favorecer mas não me parece que devesse abdicar dela só para que não se levantasse essa suspeita. Se os outros o fazem, porque não pode ele fazê-lo. Não percebo porque havia de ser diferente.

Angie disse...

Atento
Olá, já há muito que não o lia também! E gosto de o reencontrar.

Mas eu não me devo ter explicado bem, a tomar pelas suas palavras.
Eu não quis dizer nada disso. Ou seja: que o MMC devesse abdicar de aparecer com a mulher.
O que eu disse é que não entendia a indignação dele pelo facto de, aparentemente, a (mais que evidente) exploração que ele fez da imagem pública da mulher lhe poder ter sido afinal prejudicial.
Mas ele não se irritou só com o efeito imprevisível (apenas nos cálculos dele) desse facto.
Não! Ele clamava, qual Egas Moniz, pelo direito a 1 reacção da opinião pública igual à nutrida pelos outros candidatos que apareciam com as respectivas cônjuges!

Então ele não perceberá que

1º- como diziam os latinos, "ubi commoda, ibi incommoda". Isto é: quem anda à chuva molha-se...ninguém pode querer as virtudes todas no mesmo saco... quem quer ser lobo não lhe veste a pele...

2º- qualquer dos outros candidatos invocados nunca abusou da exposição pública da família, nem tentou servir-se dela, até poque não eram figuras mediáticas.
Mas terá sido só por isso?
De qualquer maneira, a tradição portuguesa é de que apareçam, mas pouco.

Ele saiu da linha tradicional. De que pode queixar-se?

O povo não é tolo e sabe separar as águas.
E fartos de notáveis do ecrã e das revistas misturados na política estávamos aliás todos... Para tanto chegou o Santana Lopes que Deus tenha em sua santa reforma.


OBS: Isto não é nenhum manifesto BªGuim, entenda-se. Mas, Atento, desculpe lá: qualquer pessoa percebe mais ou menos quando são os jornalistas a não dar tréguas, ou os próprios politicos a dar-lhes "de pastar".
Para citar um caso suficientemente longínquo (que não inflame os ânimos), alguém se lembra de ver AntºGuterres servir-se do "potencial noticioso" da primeira ou segunda mulher? Ninguém. As fotos e comentários, gossips e fofocas, lá apareciam na mesma. Mas morriam ali, ninguém lhes deu trela.
Dá para perceber o que é que é causa e o que é que é efeito!

rb disse...

Angie: Percebo o seu ponto de vista, mas continuo a achar que o efeito negativo da excessiva exposição também foi provocado pelo provincialismojornalisto-comentador de quem não suportava, certamente por inveja, ver MMC acompanhado dum mulher tão vistosa, nas suas acções de campanha. Em vez de encarar isso como um facto normal ficavam embasbacados a olhar BB. Imagine que a MCS era tão vistosa como a BB. Passaria assim tão despercebida?...
Um exemplo de agora: Quando o MMC lançou o seu livro, o Independente, lançou o facto em mancehte com um título brejeiro "Um livro do carrilho". E a foto a ocupar a página inteira qual era? A BB a descer as escadas. E foi este género de situações que aconteceu na campanha e que para mim revelam um pouco do mau jornalismo que MMC aponta.

PS: Então para quando é que se lança num blog, para podermos ter o prazer de lê-la mais amíude? (não vale devolver a pergunta).

AM disse...

Atento, Angie e Maloud

Acho que a pergunta é adequada para os três:

« PS: Então para quando é que se lança num blog, para podermos ter o prazer de lê-la mais amíude? (não vale devolver a pergunta). »

AM

rb disse...

Eu disse que não valia devolver, AM. :))

Angie disse...

ATENTO:
Se não vale devolver a pergunta, está-me a limitar a resposta...
Bem.
Primeira razão: não acho que tenha coisas assim tão relevantes para dizer, ao ponto de pretender "editá-las".
Segunda razão: não querendo parecer presunçosa, não tenho tempo para isso. A tarefa, para ter sentido, exige assistência regular.
Aliás, não é isso que o termo "blog" significa? Diário?
Ora!Já sabe que para as mulheres "sobra" tudo, menos o tempo. A recreação pura vem no fim de tudo.

Mas, se não quer que lhe devolva a pergunta, então indago outra coisa: por onde anda você na blogosfera?! Aqui há tempos apanhei um "Atento" a comentar pelo meio de 1 discussão literária, salvo erro a propósito do João Pedro George.
(Já não recordo o blog).
- Seria você?

rb disse...

ANGIE: Não, por acaso não era eu e tb vi esse post; achei curioso haver mais um Atento, pois julgava que não podia haver duplicação de nicks. Assim perdi a exclusividade.
Eu também me confronto com esses existencialismos de ter ou não ter blog. E sobretudo por causa da maldita ampulheta. Sim! Porque nós homens também temos as nossas tarefas (beber cerveja, jogar futebol, estar com os amigos, etc.). Agora a sério: perco tanto tempo a ver os blogs alheios e a comentá-los de vez em quando (às vezes por mero vício de tecla do que qualquer outra coisa), que não me vejo com tempo para ter o meu próprio blog. Talvez com várias pessoas seja viável. Quem tem um blog tem de o alimentar dia a dia, ou quase, senão os leitores perdem o interesse. Ora, para alimentar, já me bastam as bocas que tenho lá em casa.

Mas a Angie é um caso diferente. Parece que foi talhada para isto, o seu talento é evidente e não sou só eu que o digo. A sua escrita é inteligente, limpa e criativa. E, melhor de tudo, vem polvilhada de um fino sentido de humor. Não esqueço o que eu me ri com a saga do funeral do Espectro, Paineis de São Vicente, etc. Em suma, tem tudo para fazer um blog de sucesso, portanto, o meu incentivo mantém-se. Se me permite mais uma sugestão, a Angie e a Maloud, fariam uma boa dupla. Um blog no femenino. Os temas? Isso é o que mais fácil, é preciso é começar.

Há tempos e por sugestão da Maloud fui ao blog do Murcon ver o seu comentário ao famigerado artigo de "A fauna dos comentários" e assim como lá escrevi, embora muito a destempo, achei sublime a sua análise.

Sede: desculpem esta pessoalização de comentários, completamente à margem do post, mas, para mim, a blogsfera também tem esta finalidade, embora residual. O "outro não gosta ... Coma menos.

FJA disse...

«AM said...

... a escolha do eleitorado (ou seja, da carneirada estúpida, inculta e ignorante)...»

Caro AM,

Terá sido esta mesma carneirada estúpida, inculta e ignorante que, comigo incluido, levou o "seu" PS ao poder?
Parece-lhe aceitável proferir, e insistir, em tamanha javardice?
Valha-lhe Deus...

AM disse...

«Caro AM,

Terá sido esta mesma carneirada estúpida, inculta e ignorante que, comigo incluido, levou o "seu" PS ao poder?»

Sem dúvida que sim...
Só que levou o "SEU" PS ao poder, não o meu que não tenho PS nenhum!

«Valha-lhe Deus...»

É, tenho valido a muitos...
Vou pensar no seu caso.
AM

AM disse...

«Sede: desculpem esta pessoalização de comentários, completamente à margem do post, mas, para mim, a blogsfera também tem esta finalidade, embora residual. O "outro não gosta ... Coma menos.»

Caro Atento

è um prazer ter visitas inteligentes e educadas

Se não fosse o Atento, a Maloud e (tão de longe a longe) a Angie, isto por aqui estava às moscas...
(ou só com grunhos)

Por isso muito obrigado por irem garantindo o nível destas caixas de comentários :-)

AM

FJA disse...

«AM said...

...
Vou pensar no seu caso.»

Não abuse dos eufemismos, porque pensar, está visto não ser o seu ponto forte...

Angie disse...

ATENTO
Espero bem que os nossos anfitriões não se aborreçam mesmo com este tempo de antena abusivo...
Porque, claro, vou ter de lhe responder.
E como não tem e-mail, porque tem o perfil interdito, não o posso fazer directamente.
(também eu já tive o meu assim, mas depois resolvi reduzi-lo apenas ao mínimo e manter um e-mail. Às vezes vale a pena pelos canais que abre; e quando não vale, também se deita o lixo fora facilmente).
Pois, dizia eu, vou ter de lhe responder para lhe dizer que o meu caro amigo exagera nos seus elogios.
Felizmente para mim (e para a humanidade em geral e a blogosfera em particular...), não vou acreditar em mais de metade do que disse, sem com isso deflacionar, entretanto, o quanto os comentários me sensibilizam, claro.
(Não dei pelo seu tardio comentário lá no outro sítio, a propósito de JPP, mas fui agora ver e lá estava. Sabe? Às vezes estas "trocas de galhardetes" absolutamente escorreitas provocam contudo efeitos colaterais na blogosfera. Por lá às vezes aquela gente reage à diferença de tom dos comentários e tomam à conta de bicos de pés, encarando qualquer adesão de terceiros como se de claque se tratasse...)

maloud disse...

Atento
Na altura não lhe disse que era melhor não comentar, porque aquilo era uma gente muito especial? Pois é! Ao fim de poucas visitas percebe-se o tom geral. Parece uma tribo. É pior que a celebrada fauna.

rb disse...

Angie:
Deixe-se lá de modéstias e de tretas e faça mas é o blog feminino com a Maloud (é a minha sugestão). Depois, 'tou certo que eu e o AM acampamos lá.
Vá aparecendo!

Muito Atento,
;-)

rb disse...

Maloud: Também achei isso. Reparei o ataque cerrado que fizeram a quem levantou o desagravo ao famigerado artigo da Fauna. Aquilo é gente com falta de psi e ainda por cima é tudo murcons.

Mais uma vez as minhas desculpas à sede pela usurpação deste espaço para conversa, mas isto também acontece porque já enjoa falar do Carrilho. Sugestão do dia: Portugal/Timor.

rb disse...

Angie:

Faltou-me dizer que hei-de tratar disso do email, pois tem razão - dá jeito às vezes. Eu próprio hesitei em enviar-lhe um, mas achei que o meu elogio (sem qualquer lisonja) podia ser público.

Nem Sempre Atento,
:)

Incoerente disse...

Ora cá estamos nós de volta ao assunto deste post , efectivamente a atitude de AM pouco ou nada difere da atitude de Carrilho.

Tal como MMC , AM não tem papas na lingua, chega ao ponto de considerar ke não responder a uma critica com um termo animal, viola o seu direito à liberdade de expressão :

«os eleitores ((ou seja, mais uma vez, a carneirada estúpida, inculta e ignorante)»

»Se não fosse o Atento, a Maloud e (tão de longe a longe) a Angie, isto por aqui estava às moscas...
(ou só com grunhos)»

Por outro lado kem não apoia ou subescreve as suas teorias da agricultura é considerado como pouco inteligente , ora isto é um plagio do comportamento de MM Carrilho

«è um prazer ter visitas inteligentes e educadas»


Depois e para não me esticar nesta tese indesmentivel, o AM tal como o Carrilho esta-se maribando para o partido Socialista, para os seus apoiantes ou simpatizantes - AM à imagem de Carrilho ker estar rodeado de pessoas ke não o contrariem

Por ultimo Carrilho, ou AM , entendem ke não refutar a oposição, com insultos ou denominações animais viola o seu direito à liberdade de expressão.

Fosse AM candidato e tal como Carrilho perdia de longe as eleições

Mas o ke se deve reter deste comentario é ke ninguem está humanamente livre de encontrar um Carrilho por ai,numa fila de transito, uem centro historico, num bairro social, na Blogoesfera ou ate mesmo no parlamento

A sociedade deve tomar medidas de cautela em relação a este fenomeno crescente, sob pena de kalker dia estarmos todos a insultar-nos mutuamente , ou a insultar os animais , correndo o enorme risco de anular as capacidades humanas de exercer o pensamento, a argumentação e a razão.


Os comments do AM são em suma ... uma lição de vida , e de conduta de comportamento social a evitar.

( Eh pá grande tese!)

Anónimo disse...

Cara Incoerente

Esqueceu um ponto fundamental
Para AM ou MMC nem Deus se sobrepõem à sua inteligencia

AM disse...

«Angie:
Deixe-se lá de modéstias e de tretas e faça mas é o blog feminino com a Maloud (é a minha sugestão). Depois, 'tou certo que eu e o AM acampamos lá.
Vá aparecendo!

Muito Atento,
;-) »

Atenciosamente assino por baixo :-)
AM

Angie disse...

Maloud:
É tudo verdade! Mas eu tenho um fraco (saudável) pelo dono do tasco, o que é que quer?
As pessoas com carisma atraem de tudo no povoado: do padre, aos dignitários, passando pelos deserdados da sorte e acabando nos tontinhos da aldeia!
Podia ser pior: podia fechar a caixa de comentários como tantos!

maloud disse...

Angie
Acha aquilo uma caixa de comentários? A mim, ora me parece o jardim infantil, o meu brinquedo é mais bonito que o teu, ora um grupo de adolescentes exibicionistas em crise de crescimento pouco saudável. Não os quero conhecer, se algum dia forem adultos. Mas duvido...
Claro que o delicioso dono do tasco, como os conhece a todos, são a sua fiel clientela, vai tolerando a embriaguez beata e lisongeira. Afinal não é ele quem oficia?

PG disse...

Caro Avelino,

Recebi e divulgo...
"Há várias pistas que nos levam a descobrir quem tramou Carrilho na
corrida a Presidente da Câmara de Lisboa.
Está tudo no livro "Sob o
signo da Verdade"... mas codificado em paralelo com o livro de Dan Brown"Código Da Vinci".
E se não acredita... verifique...

1ª Pista
O filho de Carrilho chama-se Dinis.
O Rei D. Dinis morreu com 46 anos.
Pág. 46 do Código Da Vinci:
Aparece a palavra "Portugal".

2ª Pista
A palavra Carrilho tem 8 letras.
Avançamos 8 páginas.
Pág. 54 do Código Da Vinci:
Aparece "campanha da difamação".

3ª Pista
O livro de Carrilho tem 207 Páginas
Pág. 207 do Código Da Vinci:
Aparece "Toda a gente adora uma conspiração".

4ª Pista
Clara Ferreira Alves foi muito criticada por Carrilho e aparece no livro
de Carrilho na página 167 Pág. 167 do Código Da Vinci:
Aparece "A preciosa verdade perdeu-se para sempre".

5ª Pista
Emídio Rangel é apoiante de Carrilho e aparece na página 78 do livro de
Carrilho.
Pág. 78 do Código Da Vinci - aparece o recado de Rangel para Carrilho
"Professor... as consequências poderiam ser desastrosas para si."

6ª Pista
Quem tramou realmente Carrilho ?
O filme de Carrilho na campanha tinha 13 minutos.
Somamos à página 78, os 13 minutos do filme e vamos para a página 91
Pág. 91 do Código Da Vinci Aparece "P.S. - P.S. - P.S."

E como diz o outro... Isto é mesmo verdade, não é só publicidade!
Afinal não deviam ter feito o filme "O Código Da Vinci", mas sim
"O Código de Carrilho".

Avelino disse...

Caro PG,

Excelente, sinto-me sem argumentos. Não tinha visto a mensagem encriptada de Carrilho.Bolas!
Já agora, se souber explique-nos quem é que tramou o Nuno Cardoso que eu ainda não percebi?
E o Pinto da Costa no Apito DOurado?