terça-feira, maio 09, 2006

será possivel?

Não sei se vou ter sucesso, mas queria lançar este pequeno desafio:
- Será possivel criarmos um movimento de opinião para que duas instituições nortenhas e portuenses, como são a Câmara Municipal do Porto (munícipio da 2ª cidade do país) e o JN (Jornal diário com maior tiragem e divulgação nacional), PAREM COM OS ATAQUES MÚTUOS? A bem do Porto?

12 comentários:

rb disse...

Bem, eu como estou em S.J.M. e não leio o JN, não me parece que possa ser bom contributo a esse movimento. Mas que parece birra de crianças, isso parece.

Miguel Primaz disse...

Bom repto Avelino, mas enquanto o Rio dividir para reinar não sei se o apaziguamento terá eficácia (pelo menos no passado similares desafios não tiveram).
Seria enfranquecer o poder do despotismo e a isso resistirá ele e o seu caudilho, porque hoje seria o JN,amanhã o Bolhão e depois... até chegar à sua saída da câmara.

AM disse...

Caro Avelino

Não posso dizer que compreenda o alcance deste seu "post"...

A função de um Jornal (para mais como o JN) não será a de informar e opinar quanto à forma como a "coisa pública" (neste caso a cidade) é gerida por quem (bem ou mal) foi eleito para tal?

Não competirá aos leitores ajuizar da forma como o Jornal exerça essa função e actuar, enquanto mercado, de acordo com a sua avaliação do jornal?

Não será função da CMP gerir, da melhor forma e de acordo com a sua competência, a NOSSA cidade, dentro dos limites das suas competências definidas quer pela legislação quer, fundamentalmente, pelo BOM SENSO (que aliás o RR tanto gosta de propalar)?

De acordo com a minha leitura, o JN tem vindo a desempenhar a sua função (admito que outros discordem das opiniões de quem lá escreve e da linha editorial seguida) e é exactamente para isto que serve a LIBERDADE DE INFORMAÇÃO que foi uma das conquistas de Abril de 74 (o Avelino ainda era novo...)

Quem tem actuado de forma extremamente incorrecta (olhem só a minha meiguice) é exclusivamente a CMP, utilisando os meios da CMP (NOSSOS) para fins exclusivamente de propaganda e de gerrilha inadmissível tentandoi calar mais um jornal.

Atenção que o JN é um peixe maior que o Comércio do Porto e já deixamos que fizessem ao CP o que fizeram (e vou ficar por aqui quanto a responsabilidades no fecho do CP....)

Agora desculpabilizar a actuação FASCIZANTE de Rui Rio na sua tentativa de silenciar a informação que não lhe seja subserviente?????

Isso nunca Avelino.

AM

maloud disse...

Confesso que fiquei à espera de ler alguns comentários, para ver se tinha interpretado correctamente o post. Depois de os ler parece-me que sim.
Estou completamente farta da postura do dr. Rui Rio, relativamente à imprensa, aliás de tal forma que deixei de seguir o folhetim. Quer o dr. Rui Rio queira, quer não, vivemos em democracia e temos imprensa livre que não é correia de transmissão, nem máquina ao serviço da propaganda da CMP. Ele que se preocupe com as numerosas insufiências do Porto e deixe de viver obcecado pelo JN e pelo Público Local. Já não há pachorra para os inimigos que o senhor inventa, para distrair os cidadãos dos verdadeiros problemas.

Pedro Aroso disse...

Caro Avelino

Na antiga Grécia, havia um ditado que rezava assim: "Quando o sábio aponta para a lua, o idiota fica a olhar para o dedo". Infelizmente parece que ficaram todos a olhar para o teu dedo e não perceberam que este apelo foi feito "a bem do Porto".
A bem do Porto, que tanto amamos, subscrevo na íntegra o teu post.

Um abraço
Pedro aroso

Incoerente disse...

o JN remata sempre ao lado ... é por isso ke o comparam com a oposição,

kando interessa à CMP esconder uma decisão publica relevante- o JN publica noticias do Francisco Assis

kando o assunto não interessa a ninguem, o JN faz um escandalo e a CMP alimenta-o

a CMP beneficia das polemicas do JN, sempre ke há troca de comunicados tomam-se decisões irreversiveis na autarquia

Ou estão ambos combinados ou então o gestor do JN não é muito realista ....

RR tem mais 3 anos garantidos , e o JN pode não aguentar 3 anos de prejuizo

AM disse...

Quer o Pedro Aroso quer a Incoerente não param de NÃO me surpreender...

(espero que o RR não os esqueça na próxima distribuição de medalhas e santinhos...)

AM

avelino disse...

Bom,
Lancei o repto porque apesar de achar que a postura de RR é bem mais gravosa do que a do Jn, julgo que já se atingiu um ponto onde, primeiro, ninguém ganha e, segundo, ninguém tem a razão toda.
Não que eu discorde da análise do Moreira, mas porque a pouca ou muita experiência politica que possa ter me ensinou a olhar para estes casos como processos de menorização da actividade publica.
Por outro lado, é evidente que os textos da pg web cmp são coordenados pelo PHd, mas no JN é indisfarçavel a dificuldade de resistir à tentação da resposta.
Depois a oposição é para os políticos e quem tem de a fazer é o Assis e os outros como o Orlando. Se não fazem é porque ou não querem ou não são capazes.
Por isso acho que esta novela devia acabar

Incoerente disse...

A novela tem que acabar, o JN sobe todos os dias na escala dos menos vendidos, a cidade não se pode dar ao luxo de perder um jornal como este - Rui Rio esta a agir muito mal, mas o JN enkanto gestor privado está a arruinar o seu futuro.
Este tipo de atitude convem à CMP, mas ao Jn?! que já nem sequer publica noticias do Porto -ridiculo - não há kalidade nas noticias locais, não há informação, será que o JN queimou os arquivos da informação da Kinta da Xina e outros?!

Helena disse...

Diferença fundamental entre o JN e RR: o leitor insatisfeito pode sempre deixar de comprar o jornal no dia seguinte; o munícipe desconsolado tem que esperar, pelo menos, mais três anos.

Três anos de prejuízo no JN poderão prejudicar o proprietário, Joaquim Oliveira, e quem para ele trabalha; três anos de desnorte na autarquia prejudicam uma cidade inteira.

Incoerente disse...

É um facto.... incontornavel, pelo menos para já

SEDE disse...

Nota

O (excelente) Comentário de "Aliados" anteriormente aqui postado foi apagado a pedido da sua autora.

Pode ser lido no "post" acima, onde se destinava originalmente.

Obrigado à Manuela pela colaboração

AM