quarta-feira, maio 31, 2006

REQUERIMENTO OFICIAL DE SOLICITAÇÃO ESPECIAL

Carta da secção,

Caro senhor doutor, vossa excelência na minha pessoa de seu humilde criado sirva-se com os meus cumprimentos na imagem daquele que eu sei você ser, o maior e melhor dirigente do PS local na distinta e mui nobre leal cidade no Porto. Vimos por este meio saudar sua excelência pela iniciativa e acção política que tem desenvolvido nestes últimos anos e queremos agradecer antecipadamente a deferência com que sempre nos atendeu, e todas as vezes que no passado ou no futuro nos convidou para almoçar ou jantar em períodos de campanhas eleitorais. Orgulhamo-nos muitíssimo de ter ido em nome do PS a Bruxelas em visita política oficial e restante comitiva a mais da recepção oficiosamente sincera que obtivemos esplendidamente nas localidades que afincadamente visitamos. Como sabe muito bem, somos seus muito e integrais apoiantes, rejeitamos quem não está consigo, falamos por toda a secção da figura que o sr. Doutor é no partido e o bem que fez pela nossa Freguesia ao contrário dessa ganapada que fala na comunicação social e na rádio que eu bem ouvi. Dessas vozes bem falantes que não reza a história e vossa excelência bem como eu e nós sabe-lo porque tem tanto quanto a gente o conhecimento infindável e indomissavel da faculdade da vida. Somos doutores da vida com o nosso povo.
Por isso não leve a mal o teor desta missiva que desde já me desculpo por vir a incomodar as coisas mais importantes que o sr. doutor possa, hoje ou depois, ter que fazer ao invés de ler esta carta. Na verdade temos tentado contacta-lo invão mas tem sido difícil, o que nós compreendemos, pois claro estão, e nós sabemos que não há eleições e que não pode andar a aturar qualquer um, a modos que no entanto, o caso é de extrema gravidade! Eu diria de grandessíssima gravidade.
Vimos assim desta forma humilde dizer-lhe de um relato sobre uma coisa que reunimos e dissemos que tínhamos de lhe fazer saber. Não queremos com isso prejudicar futuramente, como se deve compreender, qualquer acção ou mesmo viagem, até pelo facto de nós estarmos desta vez a evitar que as quotas sejam pagas todas de atacado como da última vez, para que seja na próxima vez um processo total e transparente como tem sido. Ouvimos mais ou menos que não se agradou com este episódico e enfático detalhe da organização dos custos, mas sempre nos batemos contra essa imposição do Multibanco, a bem saber. Valha-nos ao menos e no entanto, que a votação compensou e por isso achamos que deve ouvir o que nós aqui na secção bem nos temos assustado.
O caso é grave porque se não fosse não lhe dirigíamos esta missiva tão importante e até esperávamos um pouco mais que com uma reunião casual e ordinária em vez de extraordinária a coisa se tratasse. Também é verdade que só confiamos em si e o facto de falarmos com outros não implica qualquer contacto político de qualquer evidentemente género nenhum, como sabe. E continuamos a agradecer todos os favores que nos tem feito e até a disponibilidade, mas o que se trata aqui é realmente de bradar aos céus.
Por isso passamos a explicar para que compreenda o assunto: Ora bem, no dia 2 do outro mês passado entrou aqui uma senhora (quase me custa chamar-lhe assim), que alevantou uma série de questões que vossa excelência, o sr. Doutor, haveria de ter visto com que desfaçatez aquela tinhosa desenvolveu, a modos que, um discurso inflamado a desagradar aqui ao pessoal. Não fosse eu amigo do sr. Doutor e não lhe diria isto, porque como sabe nem precisamos da política para nada, mas estamos aqui há mais de 20 anos e portanto queremos mesmo dignificar este nosso partido com gente séria que por exemplo e como sabe, esta não é.
Essa militante veio cá com duas coisas que vinha, a modos que, fazer, primeiramente perguntar quando é que a gente fazia uma reunião da secção, que pelos vistos chamaram-lhe não sei quê de inscritos… eu como está óbvio disse-lhe que ela não percebia de modo elementar efectivamente os estipulados regulamentares dos estatutos, como o sr. Doutor tem dito que nós podemos evidentemente defender dizendo correctamente. Ela abordou discordando e alegadamente propondo que exigia uma reunião todos os seis meses a modos que para discutir as coisas da secção. Quer-se dizer, a mulher não vêm nunca aqui ao café da associação do Barbosa desde que o homem dela foi apanhado com uma vizinha e agora apanhou-nos à porta do PS a buscar uns papeis e portantos, alegadamente insinuou o que devemos obrigatoriamente ou não realizar como iniciativas políticas. Bom isto foi-se há 3 meses e a malta não ligou deveras particularmente porque a secção tem estado bem como está, porque toda gente conhece a gente, e assim não vem mais daqueles paraquedistas que querem os lugares da junta que nós temos tão bem representado os socialistas daqui, pois somos unidos e nunca cedemos aos tipos da direita de maneira nenhuma, excepto quando é do interesse da Freguesia. Essa fulana não pode vir agora ensinar-nos a gerir um partido pois nós sabemos bem porque já cá estamos à frente disto à mais tempo do que qualquer outro e se não ganhamos as eleições é porque a câmara não faz o seu trabalho, coisa que o sr. Doutor não tem culpa porque se tem queixado lá onde pertence que eu sei. Depois dizerem que nunca apresentamos sequer um documento nas assembleias é um argumento falansioso pois ele tenhêm a maioria e justificadamente seria deixar a malta mal parecida numa votação que assim perdida teria como imediata visualização a fragilidade do PS e o dizer mal por dizer como você diz que a gente não deve fazer. E mais, se fosse você sozinho a decidir a câmara já estaríamos de volta ao poder como estávamos antes e haveremos de estar, pois quem porfia sempre alcança e nós cá estamos para o ajudar a escolher bem e a candidatar-se, se Deus quiser.

Mas então essa madame que vocês devem conhecer como Serafina mas que para mim é a “25 tostões do bloco 15”, isto porque a conheço do tempo em que era esse o valor que ela cobrava pelos favores, veio um dia e chegou-me aqui um maço de fichas com nomes de vizinhança ali do bloco 3 e do 9 que ao todo fazem 36 novos militantes propostos a entrar ao desbarato. Dois deles já nem moram cá, um tem 87 anos e o resto são amigos da filha que ninguém sabe onde pára, pois fugiu, ao que dizem, com não-sei-quem.
Eu e nós reunimos a malta toda e a minha mulher disse logo que se entrassem duas vacôncias, perdoe-me a expressão mas é mesmo assim, e disse ela então a minha Sannete, que as gajas que ali estavam entravam e ela saía, a minha filha também, a minha comadre, a mãe dela a irmã do irmão da minha mulher e dois primos, tal como a mais nova do meu compadre e o meu meio-sobrinho do lado do meu pai que era casado com uma delas mas que a largou pela minha sobrinha que é filha do meu meio irmão que também é camarada. Portanto e sem delongas, na mistura do deve e do haver, e somando e dividindo o total ficam a sair do PS a modos que aproximadamente um numero de 15 militantes. E não há maneira que os convença que não se pode impedir porque eles dizem que o sr.doutor pode porque existe o argumento estatutário e legal que aquilo é gente que não presta e nós podemos provar com dados e suposições fidedignas.
Assim deliberamos comunicar-lhe a todos vocês a decisão unânime da secção assente na maior parte dos votos dos militantes activos, repito activos, não é aqueles que tão nas fichas e só aparecem quando vêm um doutor de Lisboa que propositadamente sobre o assunto em epigrafe e após demoradas a sentidas reflexões decidimos votar afirmativamente sem abstenções sequer, a:

Expulsão da militante Serafina Violeta da Silva Marques Quadrela.

Somos vossos por atenção e admiração e amizade, com subscrição onde abaixo assinam e subscrevem assumidamente,

António Silva Moita – militante nº 122345
Deolinda Moreira Silva Moita - militante nº 122346
Joana Mariana Silva Moita - militante nº 122347
João Eusébio dos Santos Moita - militante nº 122348
Jacques Albertin Moreira - militante nº 122349
Sannete Marie Fullette Moreira - militante nº 122350
Alzira Maria Fullette Silva Moita - militante nº 122351
Joaquim Moita - militante nº 122352
Sara Adelaide Fullette Silva Moita - militante nº 122353
Gervásio Fullette Silva - militante nº 122354
Marília Anabela Soares Rodrigues Fullette - militante nº 122355
John Árcade Saints Fullette Moita - militante nº 122356
Glorival Pereira Branco Albertin Moreira Moita - militante nº 122359
Sampaio Gonçalves Gil da Moita - militante nº 122358
Bruna Lombarda Moreira Fullette - militante nº 122357

5 comentários:

Antonio Almeida Felizes disse...

Muito elucidativo para quem quiser compreender o modo de funcionamento destas microestruturas e a maneira como isto está tudo montado, articulado e manipulado no sentido de servirem interesses superiores. Todo este mecanismo funciona numa lógica mais privada do que propriamente do interesse público.

AF - Regionalização
.

maloud disse...

Devo sofrer de iliteracia. Descodifiquem-me, por favor, o texto, porque não percebi nada.

Sagaz disse...

Muito bom, muito bom. Parabens ao autor!!

índio do xingu disse...

Está cá tudo, mas os nomes são o melhor.

Anónimo disse...

represent my best blog -

[url=http://trailfire.com/valium] online prescription valium [/url]

http://trailfire.com/valium
[url=http://trailfire.com/valium] what is valium [/url]