quinta-feira, maio 18, 2006

À Procura de Sana



É hoje, pelas 21.30, na Árvore, apresentado o mais recente livro de Richard Zimler, «À procura de Sana» na sua tradução portuguesa.

Para quem não ainda conheça, Richard Zimler, nascido nos Estados Unidos, em 1956, vive no Porto desde 1990, onde, para além de escrever e desenvolver múltiplas actividades na sua área de especialidade, ensina Jornalismo na Universidade do Porto.



Naturalizado português em 2002*, Richard Zimler tem vindo a escrever excelentes obras que, uma após outra, se vão tornando “best sellers” num variado número de países, mas, muito mais do que isso, são um prazer para quem, como eu, aprecia a leitura de fino corte.

Depois de terminar a leitura de “O último cabalista de Lisboa”, talvez o seu livro mais famoso, devorei, com um prazer sempre crescente “Trevas da Luz “, “Meia-Noite ou o Princípio do Mundo” e “Goa ou o Guardião da Aurora”, tendo, neste momento, em Perth, na Austrália, com a personagem (e autor (?)) acabado de finalizar o pequeno almoço onde travei conhecimento com a que, suponho, se virá a revelar a personagem principal da história…



Logo à noite lá estarei

Obrigado e parabéns Richard

António Moreira
* Apesar de não ser futebolista...

5 comentários:

maloud disse...

AM
Não estará a ficar um pouco maniqueísta? Eu que gosto de futebol, li O Último Cabalista de Lisboa, mas nunca li nenhum livro escrito por jogador ou treinador ou dirigente de futebol.

AM disse...

Maloud

Maniqueista eu?

Que até tenho o livro do Pinto da Costa autografado pelo próprio :)

(Claro que foi oferta do meu pai...)
AM

AM disse...

Continuando

Cara Maloud

Se gostou (ou mesmo se não gostou) d"O último cabalista.." não deixe de ler os seguintes que indico no post.

Realço que o "Meia Noite..." se passa (em grande parte) aqui no nosso Porto

Parece que o Richard melhora de livro para livro, pelo que alimento grandes expectativas para a "Sana"

AM

rb disse...

"* Apesar de nãoser futebolista..."
:)))

maloud disse...

Cá em casa também existem umas obras-primas todas autografadas. São do meu cadet, mas acho que nunca as leu. Viu as fotografis.