quarta-feira, agosto 31, 2005

30 Anos de Poesia


Algo tinha que escrever sobre o "tema" do dia

Mas, este triste episódio, não me merece mais do que reproduzir o que escrevi numa caixa de comentários do Blasfémias.

Talvez alguém, aqui, queira discutir este tema "à esquerda"
___________________________________________________

Eu tinha avisado:

".....Não pensem que o Alegre favorece a "direita" que isso é uma treta.
Mas se pensam mesmo que isso é um facto então calem-se que o homem pode ouvir, julgar que é verdade e então já não concorre...."

O mal é o Alegre ler o Blasfémias.

Acreditou que ia dividir o PS (como se daí viesse algum mal ao mundo)
Acreditou que ia dividir "a esquerda" (como se daí viesse algum mal ao mundo)
Acreditou que a sua candidatura ia favorecer o Cavaco, o que é o maior dos disparates.

Decidiu não concorrer, prestou um grande serviço a Cavaco, à "direita" e ao "aparelho do PS".

Ainda bem que não se candidatou, pois a sequência dos seus comportamentos, culminando com a suprema manifestação de incoerência de ontem, tem demonstrado (a quem ainda tivesse dúvidas) que, ao pé dele (e ao pé do Cavaco) afinal o Mário Soares é um jovem, de raciocínio lúcido.

Triste país, tristes partidos e triste "democracia"

António Moreira

6 comentários:

Vieira Alves disse...

Concordo da sua análise.
Esta forma de, subliminarmente, tentar "diminuir" a atitude cívica de Manuel Alegre justifica, conjuntamente com a "praga" de parasitas que poluam na política, o crescente afastamento dos cidadãos dos politicos (e não da politica, convém que não se confunda). Manuel Alegre, com todos os defeitos que se lhe possam apontar, pertence ao grupo daqueles que colocam a "alma" e o "princípio" em vantagem sobre o "pragmatismo". A cultura do oportunismo, da mediocridade, do carreirísmo balofo, do tacitismo oportunistico continua a proliferar e, por mais que se apregoe, o "rei vai nú"! Considero que Mário Soares FOI O MELHOR PRESIDENTE DA RÉPUBLICA !!! Percebo o desafio e o risco de aturarmos o ressabiado Cavaco na PR. Mas, se continuam a "matar" o ideal com o pragmatismo tácito e oportinístico ...

Menina_marota disse...

Não concordo com o que diz de Manuel Alegre.

E, fui buscar ali ao lado, o comentário que lá deixei.

Que passo a transcrever:

Eu continuo a achar incrível, a mentalidade dos políticos e da generalidade dos "entendidos" em política...
Pedem-se ventos de mudança, mas o "vento" sopra sempre para o mesmo lado.
É lógico que quando PS veio para a praça pública, dizer quem apoiava, não havia dúvidas, que fazia parte de um jogo, há muito preparado! Desde o tempo, que Jorge Sampaio, "chutou" com PSL, aliás, com o próprio PSD do governo, que isto era previsível. Há muito que se via no horizonte uma candidatura de Mário Soares. Era previsível, especialmente sendo ele o tipo de pessoa que é…Ambiciosamente disponível para lugar no cimo da escala…
O que me admira, é que os portugueses caiam neste engodo. Porque isto foi tudo consertado. A minha intuição feminina há muito que me diz isso. E Manuel Alegre, sabe-o. Mas é Poeta. Chamou afectos a si, que não podem existir, quando existe a ânsia de poder. E Mário Soares tem-no. Especialmente, porque tem um descendente, que quer “empoleirar” antes de calçar as pantufas de vez… Um descendente, que é tão ambicioso como o seu progenitor… Esta pode ser uma análise de alguém que não percebe nada de política. Assumo. Mas tenho intuição e, especialmente, sei ouvir…

Um abraço

Pedro Aroso disse...

A Menina Marota é muito perspicaz... Por alguma razão o Manuel Alegre repetiu ontem, várias vezes, que é republicano, ao contrário do Dr. Mário Soares, que parece ter do Poder uma concepção neo-monárquica! Por este andar, o Joãozinho ainda vai chegar a Presidente da República.

Pedro Aroso (republicano)

Teófilo M. disse...

Creio que Alegre é vítima dos seus próprios impulsos... não é de agora, já desde os tempos de Argel que tal se manifesta.

Enervou-se ao sentir os silêncios de Guterres, indecisões de Vitorino, acomodações de Gama, e muitos olhares para o lado de outros notáveis e possíveis candidatos, e aliado ao voluntarismo habitual fez-se à estrada, mas esqueceu-se que a estrada era longa e escura e não cuidou de arranjar apoios que o ajudassem no percurso optando por sentar-se na berma à espera que estes se lhe fozzem oferecer prentando-lhe homenagem e vassalagem.

Alegre, continuou a ser o Alegre de sempre, afastado da realidade e das pessoas vulgares, lutador de pena e coragem, mas com muito pouca acção capaz de gerar movimento.

Foi pena, pois ficou a mancha, indelével, de quem ousou não ousar.

Cumprimentos

Teófilo M.

Pedro Aroso disse...

Caro Teófilo

As pessoas têm a memória curta... Jorge Sampaio anunciou a sua candidatura, antes mesmo de ter assegurado qualquer apoio e, na altura, fez questão de explicar que essa era a única maneira de demonstrar que apostava numa candidatura supra partidária. O Povo entendeu a mensagem, acreditou nele e elegeu-o.
Depois daquilo que o Dr. Mário Soares disse há uns meses atrás, em que recusou liminarmente a hipótese de vir a ser novamente candidato, considerando mesmo que isso seria um erro colossal, acha que ainda podemos confiar naquilo que ele diz? Os portugueses não são totós, ao contrário daquilo que muitos socialistas julgam…

Um abraço
Pedro Aroso

Teófilo M. disse...

Caro Pedro,

não concordo com a candidatura do Mário, pois esperava dele outro tipo de atitude que espevitasse as hostes socialistas.

Se calhar até o fez, mas como o desconheço, estou aqui a criticá-lo por isso.

Por outro lado nunca vi o Manuel Alegre ser passível de incomodar Cavaco, antes pelo contrário.

Tenho pena da sua desistência, pois era útil para todos, nomeadamente para os que não alinham ou desconfiam dos propósitos de Cavaco Silva.

Mas, como só optarei depois de os ouvir a todos, fico na expectativa e apesar de tudo, condeno mais veementemente o imobilismo (ou deverei dizer medo) da esquerda, do que a candidatura do patriarca.

Cumprimentos

Teófilo M.