quinta-feira, agosto 25, 2005

N”A Baixa do Porto”


Com a devida vénia a David Afonso e “À Baixa do Porto

É justo chamar a atenção para o texto “Porto: cidade anti-turismo”,






Para abrir o apetite:

“0. Li no «Público» que este ano houve uma quebra muito forte no número de turistas que visitam a nossa cidade. Não os censuro.
Passei uma tarde com um grupo de amigos que vieram conhecer o Porto e descobri porque motivo não voltam cá os turistas.
1. A caminho da Ribeira passei por um restaurante que ostentava duas placas: uma dizia «Welcome» e a outra «Encerrado para férias».
Estamos em pleno centro histórico e pelas ruas passeiam-se ao sol alguns turistas.
Vieram conhecer um país que não está para os aturar.

…….. (ler o resto aqui)”

Estou convencido que Francisco Assis irá ler este texto e, do mesmo, retirar matéria para alguma reflexão.

Seria também interessante que Rui Rio (e já agora Rui Sá) também o lesse.
Interessante mas não útil dado que ou não terá tempo ou, mesmo que o tenha, já demonstrou não lhe interessar.

Obrigado ao David Afonso.

António Moreira

5 comentários:

Anónimo disse...

Quando o Assis ler provavelmente fai fazer mais meia dúzia de promessas que já sabe que não vai poder cumprir. Já repararam que ultimamente o Assis anda a prometer tudo a toda a gente? Até parece a campanha do Sócrates a dizer que não ia subir o IVA e ia criar 150 000 postos de trabalho. Depois deu no que deu.

tripeiro

Anónimo disse...

Já estou a ver o Francisco Assis a prometer que se for eleito presidente da CMP todos os empregados de esplanadas vão ser simpáticos e atenciosos. E as gaivotas também vão ter respeitinho.

Quim da Corujeira

Anónimo disse...

Esse tipo de comentários podem soar muito bem como advindos de mentes brilhantes pertencentes a eminentes vultos.
Façam mas é algo de positivo pela cidade do que meramente criticarem, porque com discursos de passividade continuaremos na mesma linha.
Exortem-se!

Joaquim disse...

Estuve en Porto el pasado mes de febrero, y no estoy de acuerdo en que sea "la Nápoles ibérica", como dice el post.

Nápoles es una ciudad decadente, insalvable, y además socialmente podrida.

Porto por contra es una ciudad bellísima, que sólo necesita un poco más de atención e inversión para mejorar algunos aspectos urbanísticos como la restauración de edificios del casco histórico, y también potenciar su imagen turística y quizá una oferta hotelera más amplia y modernizada. Pero sobre todo, es una ciudad tranquila y segura: ¡nada que ver con las ciudades meridionales italianas!

Sólo me produjo cierta irritación ver por la noche, en la orilla de Vilanova de Gaia, todos esos anuncios publicitarios iluminados sobre los techos de las bodegas de vino de Porto, con los nombres en inglés de las empresas que comercializan el vino portugués. Sinceramente, me pareció una situación colonial... Si el vino es portugués y los trabajadores son portugueses ¿porqué las bodegas que comercializan el vino (y sacan grandes beneficios de él) han de ser inglesas? El imperio Británico aún existe, y sigue robando en otros países...

Un saludo socialista desde Barcelona

antónio disse...

nada em lado nenhum é perfeito. o Porto, no que concerne ao turismo, tem inúmeras insuficiências mas o post é manifestamente exagerado. quem o escreveu nunca pôs, certamente, os alicerces em Nápoles. E quanto a simpatia de empregados de esplanada: há bem pior em portugal, tal como os preços, e não é por causa disso que lhe faltam os turistas. a quebra de turistas existe porque a cidade não é devidamente promovida. também com um idiota a presidente da câmara que esperavamos? apesar de tudo, este ano até já há uns autocarros de dois pisos para uns "tours".