segunda-feira, julho 04, 2005

Ideia de futuro

Corre também nos meandros mais irónicos da politica portunse que, Rui Rio, prepara-se para apresentar no seu programa uma proposta dum mega evento (consta que ficou chateado com a Feira erótica lisboeta), onde serão gastos uns milhões (pagos pela Metro, pela Lipor ou assim), sendo uma coisa bem feita e com nivel, cheia de mulheres lindas, ou pelo menos ex-lindas, chamado:

Miss Universo 1950

Neste evento contam-se entre outras:
- Brigite Bardot
- Sophia Loren
- Ava Gardner
- Sónia Braga














17 comentários:

Anónimo disse...

OUVE LÁ FALTA A FOTO DA BB

Quim disse...

No meu dá - e tá nua!

AM disse...

Boa ideia

E podia até vir cá a Marilyn Monroe e outra que foi casado com o príncipe, apesar de já terem morrido.
(como fizeram com o Peter Collins e o Lewis Evans :))

Tá bem visto, tá sim senhor

AMNM

anarca azul disse...

Dizem que já tem contrato com o Eusébio para o pôr a jogar outra vez. Não sabe é como é que vai recuperar o Pavão.

anarca azul disse...

Como não pode trazer a Amália tem tentadoconvencer a Dulce Pontes. Vamos lá ver, vamos lá ver...

Anónimo disse...

O tipo de atitudes que muitos socialistas têm em relação à corrida de clássicos é um tanto idiota. Goste-se ou não do bicho (Rui Rio), e eu não gosto, a corrida foi uma boa ideia e é um evento interessante para a cidade. Esta crítica acintosa só demonstra ressentimento e parolice. Não me parece que seja com este tipo de atitudes que os socialistas convencerão os portuenses a mudar de governo. Eu cá ainda estou à espera que o Francisco Assis apresente uma ideia para a cidade: algo mobilizador que apague a imagem de homem escolhido pelo aparelho lisboeta contra o aparelho portista. Entre os dois aparelhos, o lisboeta e o portuense, que venha o diabo e escolha.
Antes que me soltem os cães: não votarei no Rui Rio. Só não sei é em quem votar...ainda.

antónio alves

fortuna disse...

Caro António Alves

Eu acho que não está a interpretar bem a coisa.
Sabe que eu até tenho uma ligação afectiva com a corrida, já que nos velhos tempos a minha familia vivia por ali e costumava montar bancada e tudo para assistir ao Grande Prémio.
A questão não está na realização deum evento ludico revivalista, a questão está num projecto autarquico sem nenhuma substancia, que tudo o que tem para mostrar e que é representativo é precisamente um evento destes. Porque passa de simplesmente ludico e engraçado para retrogrado. É a ideia de cidade que Rio tem praticado. Para além disso, temos o custo daquilo. Todos aqueles milhões de euros para um evento ludico numa epoca destas é um desvario um pouco exagerado, não acha?

Incoerente disse...

Caro fortuna

Se me permite, estou um pouco na situação de A. alves, não é esta critica especifica , alias uma grande analogia, que me preocupa, o que me preocupa é a alternativa se parecer em demasia com a opção.

Muitas vezes encaram as criticas como punhaladas ou posições de afindo, mas olhe ke talvez a maioria sejam apenas tentativas de encontrar em V. uma opção. para tal vai-se indicando akilo que cada um considera o caminho, akilo ke gostava ke a oposição ou o qualquer partido fosse ....


mas dá ideia que continuam vincados na posiçaõ, que deu o voto ao rui Rio e que o pode dar a Assis pela mesma via e motivo.
como bem sabem, esse tipo de eleições só serve para denegrir a imagem a longo medio prazo.

Talvez os partidos achem ke kando a formula PS ou PSD não funcionar se juntam e erguem um novo partido .... e ganham novamente , e são capazes de ter razão.

Só ke entretanto a economia , o empenho e tudo resto vai sucumbindo ... dando a ideia ke andamos todos a ser enganados - Ora pelo Ps ora pelo PSD e parece não haver luz ao fundo do tunel....

passando a questões practicas por favor: onde esta a V. voz contra o PEC... é ke com o PEC - acreditem vai fechar muita empresa e é altamente injusto

Anónimo disse...

Não, por enquanto não acho nada. As contas fazem-se no fim: contabilizando as receitas directas e as receitas indirectas. Tal como no euro 2004, as receitas directas não cobriram os custos mas o efeito positivo induzido na economia nacional fez com que o projecto tivesse valido a pena. Não acha?

E acho mesmo que a candidatura do PS tem que começar a apresentar ideias credíveis e um objectivo mobilizador para a cidade. E olhe que não é só no Porto: julgo mesmo que se arrisca a perder tanto aqui como em Lisboa. O que representará um abalo fortíssimo na capacidade do PS levar a bom porto a sua governação do país. E não julgue que eu sou algum prosélito do partido do Rui Rio. O meu voto sempre foi livre: sempre votei no candidato que me pareceu o melhor, venha ele donde vier; isto é, pertenço àquela categoria de eleitores que fazem ganhar e perder eleições. Nas últimas eleições votei em Fernando Gomes embora, já na altura, pouco crente na vitória dele. Mas na época pareceu-me, apesar de tudo, o melhor candidato.
Não sei se tem alguma ligação ao PS. Mas se tiver, e tiver também alguma influência lá no meio, faça chegar ao próprio Assis, ou ao seu staff, que precisa de se libertar da imagem de candidato imposto por Lisboa. Sabe que isso no Porto é ( e ainda bem) a morte do artista. Quer apostar que quando a coisa aquecer essa vai ser uma arma usada por Rui Rio?

antónio alves

Avelino disse...

Meus caros,

Na verdade a questão da corrida poderia ter sentido se.... tivesse uma proveniência e um fim. Na minha opinião é casuistica. Esta necessidade (muito pós-moderna diga-se ) de fazer cidade com eventos não é coisa que me agrade. No caso da 2001, apesar de tudo é diferente, porque tentou-se fazer dali um ponto de partida. O resultado foi fraco e sobraram simplesmente os equipamentos e as obras. Sobrou muito orgulho ferido e muita demonstração de como não se devem fazer as coisas. Se fosse eu não faria assim.
Ma spor exemplo lembram-se da cimeira Ibero-americana, aquela que serviu para pintar umas fachadas em Miragaia e na Sé, além de pagar a recuperação da Alfândega (mais uma vez pelo Souto de Moura) - esse tb foi um evento tipo este das corridas. Ruddiculo pois reduziu-se à presença do FIdel. Foi parolo e não ficou na história da cidade, sem ser pelos tristes motivos da minha ainda fresca memória.
Por isso não digam que não há legitimidade para criticar isto das corridas. Qual é o plano de desenvolviemnto turistico a sério que isto implica? Qual a ligação a um priojectio decente de marketing de cidade (existe muita literatura sobre o assunto)?
A critica do PS tem razão de ser.

Avelino disse...

MEu caro António Alves,

As contas da Expo são melhores de fazer. O retorno não visivel das corridas não é mensuravel assim.
O que o Ps quer saber é qual é o preço daquilo. Nem que seja para depois vÊr qual foi a derrapagem, como aconteceu no Euro 2004.
TRANSPARÊNCIA!
Sobre o Assis e Lisboa parece-me injusto. O Assis está disposto a trocar o parlamento europeu pela CMP. Mais facil seria fazer carreira governativa na capital.
Essa ideia do imposto por Lisboa não é verdade! Ele foi imposto por José Sócrates - é diferente.
A concelhia não o queria, mas ele é o Lider do Distrito. COnhece melhor toda esta zona do que qualquer um de nós. Já tem KM e Kms de correr toda a área, partidária e não só. Além de que teve coragem para se envolver em Felgueiras, no Marco, e nas questões do interior do distrito do Porto que aqui os cosmoportitas fazem de conta que são muito longe.
É injusto, muito injusto, além de ser um novo caminho e uma nova maneira de fazer politica.
COm ele há menos aparelhismo - isso é inevitavel.
O seu voto é indespensavel (qt mais não seja faça como o CUnhal disse)- A questão é tão grave qt isso.

Anónimo disse...

Caro Avelino

Eu não teci considerações sobre a justiça ou a injustiça da imagem que perpassa de Francisco Assis; limitei-me a exprimir aquilo que julgo ser a imagem que prevalece no espírito das pessoas, justa ou injustamente.
Quanto ao meu voto: nem de olhos fechados nem de nariz tapado. Antes a abstenção consciente.

antónio alves

Anónimo disse...

E já agora gostaria de saber, também, a opinião do candidato acerca dos investimentos a anunciar amanhã: mais 600 milhões de euros para a Ota (se vier a ser feito matará o aeroporto do Porto, pela concorrência ou por decreto) e mais 500 milhões de euros para a Portela, e um TGV com traçado em L, de Lisboa. Isto é, mais um balúrdio de dinheiro a despejar em Lisboa. Felizmente acredito que isto não passará de mais um balela para não cumprir. No entanto, gostaria de saber a opinião do candidato sobre esta tendência persistente. E não ficarei satisfeito se ele se ficar pelo reivindicar de uma espécie de "indmenizações compensatórias" para o Porto se manter calado. O presidente da câmara do Porto tem que assumir na sua totalidade a luta nacional contra a oligarquia radicada em Lisboa que domina, em proveito (económico) próprio, a alta administração pública, as empresas públicas e uma certa "economia privada" que vive à sombra do estado. Isso implica saber, por exemplo, qual é a posição do candidato sobre a regionalização. É a mesma do PS nos últimos tempos? Uma espécie de "nim" de meias tintas. Se não for para isso, o Rui Rio serve.


antónio alves

AM disse...

Meus amigos

Tirando os aspectos relativos ás "corriditas de calhambeques" que (não irei repetir tudo outra vez)considero de uma imbecilidade criminosa (e decerto ninguém aqui será mais apaixonado por automobilismo "clássico" que eu).
Quanto aos restantes pontos levantados por Antonio Alves parecem-me muito pertinentes e cuja discussão deve ser aprofundada.
Penso até que este blog será o local indicado para tal :)
Também espero (confio) que o F. Assis seja diferente da tal imagem que dele perpassa.
Eu tive a oportunidade de começar a criar uma outra imagem, porque tomei a iniciativa de o IR conhecer.
A generalidade dos eleitores (que relembro não sou) não VAI conhecer, donde cabe ao candidato e à sua equipa ter o trabalho (e a arte) de o DAR a conhecer, desfazendo uma imagem falsa, nuns casos, ou criando uma falsa imagem, noutros.
Temos que reconhecer que nesse jogo detestável (mas que vocês aceitaram jogar) o Rui Rio está a "passar" melhor.
Ora vocês também sabem o que eu penso desse senhor, por isso, toca lá a trabalhar melhor :)
Caro A Alves: " Antes a abstenção consciente" :)

AMNM

Anónimo disse...

Também eu já fui conhecer o candidato: participei na primeira sessão da alfândega sobre mobilidade e transportes. O candidato chegou atrasado, debitou meia dúzia de banalidades e não me pareceu muito seguro no que concerne ao assunto em discussão. Nessa conferência foram, entre muito discurso aparelhistico-partidária de alguma assistência, apresentadas algumas ideias interessantes por parte do painel de especialistas.

Continuo à espera de mais oportunidades de conhecer o candidato. Ou melhor: de conhecer as suas propostas para a cidade, a área metropolitana e a região.

Hoje o Diário Económico traz esta manchete:
"O Governo vai reabrir o PRIME, programa de incentivos gerido pela Economia, às empresas de Lisboa e Vale do Tejo.

Uma decisão justificada pela concentração de entidades do sistema científico e tecnológico na região, sem as quais não seria possível viabilizar o Plano Tecnológico."

Estranhíssimo, ainda recentemente o PR fez uma presidência aberta sobre investigação e desenvolvimento e visitou várias empresas que se destacam nessa área. Todas elas na região do Porto/Norte e Aveiro (Bial, Unicer, Lactogal e uma outra de Aveiro cujo nome não me lembro). Será que têm razão aqueles que dizem que, contrariamente ao discurso oficial, o PS é o mais centralista dos partidos?

antónio alves

RS disse...

Quanto ao Governo abrir o PRIME para Lisboa e Vale do Tejo...
A impossibilidade do programa PRIME para a região de Lisboa e Vale do Tejo não só prejudicou muitas empresas na area mas também o estabelecimento de consorcios entre empresas de Lisboa e outras regiões do País. E perderam-se muitas oportunidades de melhorar, inovar por este impedimento regional do PROGRAMA PRIME. Esta medida é excelente para o PAÍS e enquanto não encararmos o PAÍS como um todo, vamos ser incapazes de melhorar. Ainda bem que não há um impedimento regional na região de Lisboa e Vale do Tejo para o PRIME porque vai ser possivel reunir esforços novamente. è que não estamos contra Lisboa , nem contra o Porto, nem a favor de Lisboa , nem a favor do Porto, ESTAMOS A FAVOR DE PORTUGAL!
Raquel Seruca

Anónimo disse...

que o País seja visto como um todo estamos nós, há demasiado tempo, à espera

antónio alves