quarta-feira, novembro 30, 2005

Mais estado ou menos estado?

A discussão que se tem desenvolvido aqui no Sede merece uma pequena reflexão, se me permitirem:
Mais estado ou menos estado?
Se por um lado evidencia-se que a questão económica se sobrepõe a todas as outras questões estrutrantes no País, vemos na sociedade como nas outras coisas todas, que o neo-liberalismo acaba por ganhar sobre a profunda reflexão social-democrata que a Europa tem vindo a fazer no ultimo século.
Comparando com a arquitectura, por exemplo, é como dizer que no século XX a arquitectura de matriz "tradicionalista" ou "conservadora" venceu sobre a denominada arquitectura moderna - ou a arquitectura do moviemnto moderno.
Quer isto dizer que as pessoas continuam a preferir a imagem simbólica do objecto do que absorver a verdadeira modernidade do dito, preferem uma casinha tipica ou rustica do que uma coisa mais moderna. Mesmo os mais eruditos (e também porque são eruditos, ou seja gostam da história e baseiam na visão sobre os factos do passado - porque a conhecem) tem tendência ao conservadorismo.
É por isso que a nossa juventude (e até a meia idade) não discute os temas preponderantes actualmente - o emprego, o estado social, a economia, A VOCAÇÃO de Portugal. Preferem dizer que não se metem em política e continuar a conversa do futebol. Falam mas é do Aborto, da homosexualidade e das questões mais fracturantes (eu diria mais fast food)
É também por isso que para esses o Sócrates é igual ao Barroso que por sua vez nem foi melhor que o Santana. É também por isso que não há novos protagonismos de fundo nos candidatos presidÊncias, porque simplesmente não há profundidade na previsão futura do País.
Temos feito diagnósticos - e o cenário é mau! Eu quando vejo discutir o papel do Estado, nomeadamente sobre a visão liberal que agora está na moda, sinto-me tentado a concordar. E faço-o porque desde logo isso garante-me que a questão regional ganha um sentido superlativo evidente. Um estado eficaz e próximo dos verdadeiros objectivos.
É evidente que se o país parece um telhado cuja caleira é o litoral e o único tubo de queda está em Lisboa, então o aeroporto faz-se ali - nem que tenha que ser forrado a ouro e com um diametro maior, mais bem feitinho e tudo.
Compreende-se por isso melhor o que significou a segunda metade da década de 90. Mas o socialismo democrático é que vence eleições e bem.
a continuar....

2 comentários:

AM disse...

"a continuar...."

Pois, que é para ver se a gente (eu) entende :)

AMNM

Incoerente disse...

Avelino antes de continuar, informe : este é um post de apoio ao Mario Soares não é?!

«a arquitectura de matriz "tradicionalista" ou "conservadora" venceu sobre a denominada arquitectura moderna...»

«preferem uma casinha tipica ou rustica do que uma coisa mais moderna»

Logo vão votar Mario Soares!

« ... fast food»

Mario Soares ...


«Mas o socialismo democrático é que vence eleições e bem.»

Mario Soares é o unico Socialista comum a varios partidos.