sexta-feira, novembro 04, 2005

Paris

E se de repente, um desconhecido, lhe oferecer flores?
E se de repente, um jovem desconhecido, se calhar de outra raça, com outra origem, lhe atirar com um cocktail molotof?
E se de repente eclodisse um mundo novo, desconhecido, com outros equilíbrios, com outras linguagens, outras flores?

Afinal quem é que tem medo, quem tem temores?
Perante o desconhecido assustador, quem dá o passo em frente e quem, pelo contrário, hesita e dá um passo atrás? Onde está a esquerda? E a direita?
Quem é que não sabe que as coisas tem e estão para acontecer? Quem é que não sabe que o Sec. XXI e o terceiro milénio tardam em começar? Ou será que já começaram?

E o que temer afinal. A história longa não nos tem ensinado que o mundo muda sempre para melhor? Quem tem a perder? E quem tem a vida para ganhar, que se cansa de a ver sempre do lado dos subúrbios?

E perante as certezas de um outro mundo, motivado pelas mudanças geo-climatéricas evidentes, essas sim, assustadoras, poderá o Homem resistir a ensaiar uma nova ordem social?

Sabemos que no “fim da história” há-de ficar tudo na mesma. Mas tenhamos esperança que esse “na mesma” possa ser outra vez um pouquinho melhor.


1 comentário:

Incorente disse...

Estes jovens vão marcar uma nova Era no nosso Sec

- o estado vai finalmente assumir o crime de alojamento social e
a responsabilidade nas doenças psicologicas dos milhares de habitantes

- os afectados passarão a receber injecções diarias de subsidios e
reformas profissionais

- passarão a ter direito de se defender da policia caso sejam atacados

- a sociedade vai ser mentalizada para o tipo de doença em kestão

- o estado europeu criará spost publicitarios com carros keimados e jovens simpaticos a sorrir, para sensibilizar as populações

O Sec XXI vai ser mais justo - até se consta ke finalmente os reformados vão receber akilo, ke recebiam kando trabalhavam...