terça-feira, junho 28, 2005

sobre o interior dos partidos!

Confesso que este texto é um pouco um desabafo. Sabem, já estou farto da tendencia gratuita para a critica fácil que se tem feito neste periodo político, especialmente aqui no porto. Numa altura onde parece que os minutos de atraso de um candidato são mais relevantes que a mingua de ideias de uma cidade, ou então, a presunção de que os partidos são umas máquinas imensas, cheias de funcionários e quadros, que podem acompanhar tudo e todos, e melhor, tem a obrigação moral de o fazer. Isto, misturado com a costumeira cobardia, repito cobrdia, daqueles que se recusam a participar nos partidos, mas reivindicam as ideologias com a mesma propriedade dos que fazem delas cartão.
Sabem, é que muitas vezes é injusto, e nós podemos fazer um esforço, mas na maior parte das vezes não somos melhor nem pior do que o resto do povo, somos povo também.
A diferença é que damos a cara por um projecto. Não sabemos se ele é perfeito e até temos a certeza que não vamos transformar esta, na melhor cidade do mundo, em 4 anos, mas tentamos. O que sabemos é que a malta tem sido maltratada, enganada e em muitos casos humilhada por ser comandada por um artista como este presidente PSD.
O Assis tem as qualidades para ser um óptimo presidente, tem a serenidade para ouvir e é mais honesto que o Rio, pois não consegue mentir enquanto se ri, como ele. Quem o conhece, sabe que quando não está convicto do que diz até gageja!Por essa razão não compreendo uma tendência generalizada para andarmos sempre a escutar as criticas de pormenor, o detalhe, a chamada de atenção para isto, ou por não dizer aquilo, ou porque numa das muitas e muitas iniciativas que se fizeram faltava um copo de água, ou interromperam a palavra ao cicrano e beltrano. Depois também aquela treta do desacompanhado! É ridicula. Se andasse com as velhas caras como o palerma do Lello ou o Gomes, mais o narciso, mais o Gaspar, mais o Gomes Fernandes, mais sei lá quem, então diriam as poucas e boas - são sempre os mesmos, etc. assim está sozinho, o resto não existe - balelas - vão vêr quem ganha!
O que a malta vai dizendo é que não conhece esta nova vaga. O que a malta tem medo é da mudança. A mim ás vezes parece-me que muitos dos criticos, independentes e não sei que mais, se vivessem no tempo da outra senhora, eram coniventes com tudo e o 25 de Abril ainda não era feriado.
O que eu apreciava era vêr canalizadas as forças para ganharmos bem. E tragam um amigo também, a quem vier por bem.
A candidatura do Assis está muito bem, faltam 3 meses para conseguir os objectivos e ninguém pode ficar indiferente ao estilo e à proximidade dele com todos e com o que está certo. É tempo de unirmos esforços e ultrapassar receios e dar a estopada final e o ultimo sprint - em beneficio do Porto.

10 comentários:

Incoerente disse...

Desmontaram a teoria, se ele não acompanha com as velhas guardas, então ele é um socialista diferente ... dessa forma ninguem pode fazer comparações...


Assis é completamente diferente de tudo o que conhecemos ate agora, portanto se não se conhece, não se pode comentar ,

é uma boa maneira de calar criticas

Boa

RS disse...

Chega! Estou como o Avelino. Chega ! Chega de criticas ao Assis. O Assis é um tipo super inteligente, impressiona o facto de ser tanto.
Foi impressionantemente BOA a forma como resumiu a conferência de ontem, como se comprometeu, como se afirmou.
Chega de dizerem que não o conhecem. Que é isso de que não o conhecem?
Como advogam contratar um gestor para uma grande empresa como é a camara municipal? Porque é filho de alguém, aparece nas revistas de coração, tem um clube de fans, ou é porque tem um curriculo que mostra provas dadas. MEUS amigos, estudem o curriculo do Assis, o que fez em Amarante, o que fez como presidente do grupo parlamentar, qual o seu papel como deputado Parlamentar. Alguém já se lembrou que o Porto faz parte da Europa e é ao nivel da Europa que se desafia o Porto. Querem um senhor que tenha visão de futuro, que esteja preparado intelectualmente e profissionalmente ou um filho da Terra? Escolham o Porto que quiserem porque o Porto é vosso. Depois não se queixem que o primo,do tio, do filho, do neto, da prima, e da sobrinha do senhor da Terra afinal não estava preparado para os pròximos anos. Parem de criticar, construam. Saibam distinguir o trigo do joio. Ontem foi uma sessão de 20 valores e o Assis esteve de 20 valores. Parabéns Assis, impressionou e digo mais, Conquistou muitos "resistentes ao PS". Viva.
Raquel Seruca

TAF disse...

Independentemente de quem ganhar a Câmara, é justo dizer que a campanha do Francisco Assis teve como característica positiva o facto de ouvir a cidade. Eu sou muito pessimista quanto à capacidade real de a autarquia mudar o rumo ao Porto. Vejo a situação mais ao contrário: sem algumas coisas da responsabilidade da Câmara a funcionar bem, é muito difícil fazer evoluir a cidade.

Mas, ainda assim, a tarefa principal cabe à sociedade civil e não à autarquia. Por isso, ganhe quem ganhar as autárquicas, a situação não é dramática. Pode ser pior ou melhor conforme o vencedor, mas temos de reduzir a câmara ao seu verdadeiro papel: não complicar. O resto, os projectos, as estratégias, as visões de longo prazo, deixem isso para nós, a sociedade civil. Quem percebe disso somos nós. A câmara que trate dos assuntos "simples" cuja resolução é adiada há anos e anos... ;-)

Pedro disse...

afinal estão a falar de quem? Quem é esse Assis que tanto falam aqui?
Como diria o papa Jorge Nuno: "não o conheço, nunca me foi apresentado!"
:-)

RS disse...

Caro Pedro
Em que século estamos? No da beija mão? Lamentável!!

Pedro disse...

eu considero imperdoável! :D

Fora de brincadeira, considero-o melhor candidato que o Nuno Cardoso e o Gomes. Ao menos isso!
Só falta eu perceber quem o vai acompanhar, caso vença as eleições.
Se forem os "Orlandos Gaspares" do PS isso é MUITO mau...

Avelino disse...

Seguramente estará bem acompanhado.
Ele já disse, em publico, muitas vezes que a maioria da sua equipa será proveniente da sociedade civil.
Não creio que haja continuidade da anterior equipa.

Avelino disse...

Seguramente estará bem acompanhado.
Ele já disse, em publico, muitas vezes que a maioria da sua equipa será proveniente da sociedade civil.
Não creio que haja continuidade da anterior equipa.

Incoerente disse...

Raquel:

No que me diz respeito, quando digo se não conhecemos não podemos comentar, refiro-me a que todos os comentários que têm sido feitos, não versam tanto o Assis mas o património histórico socialista, se Assis não concorda com as anteriores politicas – logo não pode ser visado nestas criticas, resta , aos comentadores, aguardar para conhecer a novidade e depois então comentar.

Tenho que admitir que o Avelino usou de uma estratégia radical e superior, justificou a necessidade de auscultação prévia, varreu com as influências dos Velhinhos abutres e a coisa melhorou.

Segundo o Avelino uma coisa é os dois mandatos anteriores e o trabalho da oposição nos últimos três anos – outra coisa serão as futuras propostas de Assis...

Ora, se Francisco Assis pretende desmarcar-se desses dogmas e velha guarda, é porque manifestamente não concorda com o tipo de «serviço» prestado - só ai sobe vinte pontos e cala as criticas paralelas - não pode ser acusado do trabalho passado que ele próprio reprova , Certo? –

A rejeição ao trabalho desenvolvido nos últimos anos, faz com que ele próprio se dirija a auscultar a população, como se não fizesse fé nas velhas guardas , certo?

Se este for o mote principal da campanha, se forem demonstradas capacidades de rompimento e aliadas essas valias a alguma seriedade que Francisco A. transmite, podem de facto vencer as eleições.


Só faltará esclarecer se é ou não F. Assis, o orientador do trabalho actual da oposição.

De resto este foi um golpe de mestre -

AM disse...

Caro Fortuna
Acredite que tenho consideração pela forma, que me parece apaixonada e honesta, como defende as suas opiniões.
Opiniões de socialista, enquanto militante de um partido que se chama “socialista”, mas também opiniões de democrata, numa sociedade que se auto intitula de “democrática”.
Chamou-me a atenção esta parte do seu “post”:
“… a costumeira cobardia, repito cobardia, daqueles que se recusam a participar nos partidos, mas reivindicam as ideologias com a mesma propriedade dos que fazem delas cartão.”
Não sei quem ou o que lhe terá despoletado esta necessidade de classificar de “cobardia” a atitude daqueles que, como eu, “se recusam a participar nos partidos”.
De certo estará a limitar essa classificação aos que “reivindicam as ideologias com a mesma propriedade dos que fazem delas cartão.”, o que, aliviado, me exclui, dado não reivindicar qualquer ideologia “classificada” e que, por isso, seja propriedade exclusiva dos detentores de um qualquer cartão.
Mesmo com este alívio, gostaria de lhe exprimir a minha convicção de que esta sua atitude, mais parece de justificação e desculpa de quem não se sente muito bem na mesma “casa” d“o palerma do Lello ou o Gomes, mais o Narciso, mais o Gaspar, mais o Gomes Fernandes, mais sei lá quem”, e, além do mais, tem a convicção de que as “ideologias” mais não são já do que simples “marcas” que enfeitam e distinguem o nome das organizações que se batem pelo poder.
É claro que eu ainda acredito na honestidade e nas "boas intenções" de algumas pessoas que militam em partidos políticos e os amigos do Sede, como decerto o Francisco Assis, estão, sem qualquer dúvida, nesse grupo.
Mais, não tenho qualquer dúvida até que a percentagem de “gente séria” é, de longe superior, entre os militantes do PS do que entre os do PSD ou do CDS/PP.
Mas (repetindo-me)
Um sistema em que qualquer Jardim, Valentim, Avelino ou até Rio, ganha, com facilidade quaisquer eleições, está muito longe de ser aquilo de que eu falo quando emprego a palavra “democracia”.
Gostaria de poder concordar com o final do “post”
“A candidatura do Assis está muito bem, faltam 3 meses para conseguir os objectivos …….. “
Infelizmente acho que haverá muito a corrigir.
Gostaria de ser capaz de clarificar exactamente o quê, mas é pouco mais que um “feeling”.
Sei que tem a ver com comunicação, que tem a ver com eficácia, que tem a ver com perfil de liderança, que tem a ver com imagem.
Algo não está a “passar” muito bem para o “lado de cá”……..

Boas
AMNM