domingo, setembro 25, 2005

De novo as presidenciais


Perdoem-me se publíco outro texto sobre as eleições presidências. Eu sei que as autárquicas estão mais próximas mas ando a fazer um esforço sério por as ignorar (o que obviamente não implica deixar de votar no dia 9). Acho que a campanha está feita de novelas sul americanas – brasileiras e nem sequer são da TV Globo que pelo menos garantiria alguma qualidade ao enredo e à sua realização, mas sim novelas da TV Bandeirantes, com actores de segunda, guião de segunda e realização de segunda. O resto da campanha não chega para entusiasmar, o debate de Lisboa ficou reduzido à falta de um cumprimento – que chegou dois dias depois – e o do Porto foi mais civilizado mas não chegou para fazer mudar o sentido de voto das pessoas – infelizmente.
Nas presidenciais Manuel Alegre parece que vai avançar. Costuma-se dizer que mais vale tarde do que nunca – acredito que a fidelidade á actual direcção do partido socialista não foi suficientemente forte para travar definitivamente a sua vontade. Não terá sido alheio a sondagem do ”Correio da manhã”:
De acordo com a sondagem Correio da Manhã/Aximage, Cavaco Silva vencerá as eleições presidenciais logo no primeiro ‘round’ com 50,6% das intenções de voto contra os três candidatos assumidos: Mário Soares, Jerónimo de Sousa e Francisco Louçã, que colhem respectivamente 21,7%, 4,7% e 4,3%. Se aos quatro candidatos (Cavaco, Soares, Jerónimo e Louçã) se juntarem Manuel Alegre e Paulo Portas, o resultado de Cavaco na primeira volta desce de 50,6 para 45,5%. Na verdade, uma candidatura de Alegre quase só desgasta Soares. O ex-Presidente da República obteria 18,4% e o deputado socialista 13,5%.
Surpreendente? Nada, apenas a constatação do sentimento das pessoas que Sócrates sempre negou e agora não pode admitir, como tal continua a repetir o discurso de que a candidatura de Mário Soares é unificadora e vencedora. Bom, até ao dia das eleições muito pode acontecer mas duvido que esse tempo seja suficiente para alterar o sentimento de que a candidatura de Soares pertence ao passado e acredito seriamente que os que inicialmente o apoiaram sintam agora o travo amargo da precipitação, sendo que todos aqueles cuja visibilidade não seja muita tentarão sair discretamente. Fica aquela sensação de que o tão falado divorcio entre os eleitores e os partidos é cada vez mais sentido sendo que os partidos devem reflectir seriamente quanto à sua sintonia com o país real. Preocupa-me que aqui um eventual sentimento de ressentimento entre Sócrates e Manuel Alegre não permita ao primeiro ver o óbvio – é que todo e qualquer eleitor que não goste de Cavaco Silva votaria sem grandes problemas em Manuel Alegre, o mesmo não acontece com o actual candidato oficial do Partido Socialista.

Eduardo

3 comentários:

Miguel Primaz disse...

"Preocupa-me que aqui um eventual sentimento de ressentimento entre Sócrates e Manuel Alegre não permita ao primeiro ver o óbvio – é que todo e qualquer eleitor que não goste de Cavaco Silva votaria sem grandes problemas em Manuel Alegre, o mesmo não acontece com o actual candidato oficial do Partido Socialista."
Verdadeiramente lapidar.

Anónimo disse...

Eu concordo com a pagina principal.
A candidatura de Manuel Alegre veio-me baralhar um pouco, porque gosto muito dele.E possivelmente vou mudar o meu sentido de voto,
O Dr. Mario Soares é do consenço do ps, mas quem vota é o povo, e o povo pode não ter esse mesma visão.

Incoerente disse...

Acho ke isto é uma fraude , kantos candidatos pelo PS podem existir?
Ker dizer vêem ke não ganham as eleições metem dois a concurso?


O reforço , isto é uma fraude bem pensada... mas é uma fraude.