sexta-feira, outubro 21, 2005

Uma visita pela história

Aníbal (247 a. C. - 183 a. C.)
General cartaginês. Filho de Amílcar Barca, conta a tradição que com a idade de nove anos jura ódio eterno aos Romanos. Entre 238 e 229 acompanha o pai nas suas campanhas militares na Hispânia. Quando da morte de Amílcar viaja para Cartago, mas rapidamente regressa à Hispânia, onde combate às ordens do seu irmão Asdrúbal. Este é assassinado e o exército cartaginês escolhe para chefe Aníbal, que tem então vinte e seis anos. A partir de então, Aníbal entrega-se à tarefa já proposta por seu pai e que também se converte no objectivo da sua vida: a destruição do poderio romano. Esmaga as tribos aguerridas da Península Ibérica e, assim, não deixa qualquer ameaça nas suas costas. No decurso da segunda guerra púnica sitia Sagunto, cidade aliada aos Romanos, e incendeia-a (219). Em Cartagena forma um exército de 100000 homens, com que atravessa os Pirenéus, o Ródano e os Alpes. Não se atemoriza perante os obstáculos que colocam no seu caminho tanto a natureza como os seus inimigos. Segundo a tradição, leva consigo ao longo de todo o trajecto os seus elefantes. Quando chega a terras italianas, o seu exército está reduzido a 26000 homens, pelo que o fortalece com guerreiros gauleses.
A partir deste momento, a vida de Aníbal está referenciada com uma série de êxitos bélicos extraordinários. Nas margens do rio Tesino vence o cônsul Cipião e nas margens do Trébia o cônsul Semprónio (218). Franqueia os Apeninos em pleno Inverno e cruza as zonas pantanosas da Etrúria, onde perde um olho. Apanha o cônsul Flamíneo nos desfiladeiros próximos do lago Trasímeno, onde o derrota (217). Finalmente, em Canas reduz a nada os exércitos dos cônsules Terêncio Varrão e Paulo Emílio (216).
Não se atreve a assediar Roma com um exército pouco numeroso, apodera-se de Cápua, onde passa o Inverno. E em Cápua acontece o inesperado: Aníbal, instalado nesta cidade com toda a comodidade, interrompe a sua campanha no momento em que Roma está quase indefesa, ao alcance da sua espada. A expressão «as delícias de Cápua» passa a ser uma frase feita que refere a atitude de quem, com a vitória próxima, se entrega à moleza e a perde. Aníbal começa a retroceder: perde Cápua, toda a Campânia e Tarento. No ano de 207 tenta unir-se ao seu irmão Asdrúbal, que vem em seu socorro da Hispânia com novas forças. Mas o cônsul Nero, após vencer Asdrúbal na Batalha de Metauro (207), manda atirar a cabeça deste para o acampamento de Aníbal. «Reconheço com este gesto o destino de Cartago», disse Aníbal, segundo a tradição. De seguida retira-se para o extremo meridional da Itália, onde resiste vários anos. Chora de raiva, abandona as terras onde combate durante dezasseis anos. No ano 202 é vencido na batalha de Zama, com que termina a segunda guerra púnica.
Nomeado primeiro magistrado de Cartago, reforma a administração, reprime os abusos e instala os seus veteranos como colonos dedicados à exploração dos olivais. Inicia negociações secretas para combater Roma, mas, perseguido no seu próprio país por uma facção pró-romana, exila-se. Passa o resto da sua vida a fugir até que os Romanos exigem a Prúsias, rei de Bitínia, onde na ocasião está Aníbal, a sua cabeça. Então Aníbal envenena-se e assim se entrega à morte. Tem então sessenta e quatro anos.

4 comentários:

fortuna disse...

Nada como uma passagem pela faculdade de arquitectura para conhecer estas lindas histórias. Ainda te lembras da do Almirante chinês que mandou afundar a armada?
Olha que era igualmente relevante para oactual momento politico do PS Porto.

RS disse...

Se o outro Post era para ler nas entrelinhas, este é para ler nas SUB-entrelinhas! Mas quem te percebe, percebe. E quem não te percebe, só pode ficar com pena!

AM disse...

Bolas

Fiquei com tanta pena.... :(

(mas que a história é sempre bonita é, e que Cartagena é uma cidade belíssima também).

Venham mais destas
AMNM

Incoerente disse...

Ui ke horror ke tragedia- kal a mae tirana ke chama a um filho Asdrúbal????