segunda-feira, abril 18, 2005

O Tino de Rans

A propósito desta polémica da limitação de mandatos veio-nos à memória o Tino de Rans. É que ele foi o primeiro a contestar em termos nacionais o excesso que os partidos fazem na gestão dos seus deputados.


Na altura dizia que eram sempre os mesmos e que não tinham a aprovação do povo porque iam a reboque dos candidatos a primeiro. Vendia livros à porta dos Congressos a dizer isto mesmo. Vendia-os a gajos que nem os liam!
Claro que isto dito pelo Tino, entremeado com a trágico-cómica história das batatas cozida com bacalhau, feitas pela mãezinha, e a visita à campa do irmão tinha o valor que tem. No entanto o Tino dizia isto porrque tinha um objectivo! Queria ser deputado.
Hoje o Francisco Assis veio a reboque do Mário de Almeida e o Comércio, e bem (digo eu), pespegou-lhe logo com uma foto ladeado pelo autarca de Vila do Conde e de Matosinhos. Não percebo como se pode defender primárias e paridade no partido e depois dizer ser contra a limitação de mandatos, é que o principio que origina esta revisão é o mesmo, credibilizar a politica após 30 anos dos mesmos gajos.
Numa coisa o autarca de Vila do Conde tem razão, quando fala de deputados e do seu day after! Mas isso é neste mandato, porque aqui à uns anos atrás haveriam de lhe lembrar outras coisas.

3 comentários:

TFF disse...

Isso é que era um candidato a Valongo ou Gondomar! Com a dificuldade de arranjá-los ainda se ia buscar uma figura nacional.

Vieira Alves disse...

Pois é! Esta malta gosta de pregar as virtualidades da alternância quando estão na oposição. Quando se instalam no poder , e nós os que não somos parvos sabemos como isso é feito, aí que d'El Rei que é o POVO que os escolhe.
Mas isto não fica por aí, há secções do PS a pedir "plenos poderes para o candidato a presidente da junta para a elaboração da lista à Assembleia de
Freguesia".
Em suma, os militantes servem para pagar as cotas, promover enchentes, conseguir eleger y delegados aos congressos. Quando se trata de escolher ... confiemos na boa, ponderada e democrática opnião do candidato. ´
Oh, PS, precisas cá de uma volta!!!!

Anónimo disse...

Às palavras sábias de todos os "Tinos" que querem "rejuvenescer" as instituições do Poder, movidos ou não por sede de Poder ou melhor sede de estar mais perto do Poder muitas vezes falta-lhes o condimento principal: POSE. É que sem pose não há cá cantigas. Para quem quer tirar a cadeira a quem está sentado nela há muito tempo, toca a investir na POSE porque aí está meio caminho feito.